Sábado, 23 de Agosto de 2008

Sonhar é fácil por um sonho de casamento

 

     Quando estamos numa de procurar inspiração para escrever algo não sobre um assunto actual no mundo ou perto, juntinho à nossa porta e não sai nada, eu pelo menos, não sei se mais alguém o faz, procuro encontrar algo digno de nota - a meu ver.

     Foi numa destas deambulações que encontrei um texto que adorei e reparei que já tinha sido editado á mais de três anos. Gostei tanto que de imediato mandei um e-mail ao seu autor contando-lhe o facto e mostrando vontade de o reeditar num dos meus blogs não alterando em nada o seu conteúdo, somente algumas alterações fonéticas para português de Portugal.

     De imediato recebi resposta que é a seguinte:

> Olá Nelson,

> 

> É bem intrigante e divertido saber que alguém leu uns textos que eu nem

> lembro de ter escrito, assim, faz bastante tempo que escrevi aquilo. Pelo

> menos uns 3 anos.

> Se quiser usá-los no seu blog, pode usá-lo sem mais problemas:)

> Eu fico imensamente honrado por tal ato;.

> Desde já, obrigado.

> Francirley Rodrigues

 

     Meus amigos, é assim que todos os bloguistas deviam proceder. A honradez na escrita devia ser uma constante e nunca fez mal a ninguém.

     Posto isto aqui fica à minha maneira!

 

☺☺☺☺☺☺☺☺☺☺☺☺☺☺☺☺☺☺☺☺☺☺☺☺☺☺☺☺☺☺☺☺☺☺☺☺☺☺☺☺

 

 

Sonho de casamento

 

     Um dia, aliás tem pouquíssimo tempo, decidi de uma vez por todas acabar com a minha ilusão de casar, ter filhos, morar em uma casa com quintal e finalmente ter o meu final feliz. Não que tenha deixado pra trás a minha aura de romantismo, nada disso. Ela continua intacta - mas em um estado de hibernação.

     Desde que lembro da minha mais remota lembrança, lá está a minha ilusão de casamento, naquela época com a minha prima. Fizemos juras, e nos importávamos de verdade um com o outro, do jeito que uma criança de quatro para cinco anos permite se importar. Sonhávamos com um carro vermelho e nossa ida à Fortaleza, teríamos filhos e moraríamos a beira da praia.

     Depois vieram ilusões de colégio, e o primeiro amor bateu. Novamente sonhando com o casamento perfeito, tudo dando super certo. Sem problemas, sem medos. Nessa época a minha visão de relacionamento perfeito compreendia somente o amor, sem se importar com o pão à mesa, com as TPM's e com tudo que é capaz de anular esse sentimento. Achava que bastava amar e ser amado para ter uma vida feliz. Doce engano!

     Até que um dia, me descubro bi. E vejo se abrir, junto com a minha descoberta da sexualidade, um novo leque a ser explorado. Aquele sonho se expandiu, englobando agora um parceiro, companheiro, respeitador e um bom amante. Já não tinha o sonho do casamento eterno, da casa na praia, de viagens e filhos.

     Vieram os namorados, as experiências, os que ficaram e as tampas que a vida dá. E tudo foi ficando mais amargo.

     Vi que estava no meio de um tiroteio, fiquei revoltado com a incompreensível e hipócrita sociedade. Vi pouco a pouco que estar casado na minha nova situação (entenda-se bi, ou gay) era praticamente impossível. Difícil ter uma vida 'normal' quando não podemos ser aquilo que gostaríamos de ser. Vi que não poderia ter filhos, não filhos meus, teria que os adoptar, mas me perguntava se isso seria possível. Vi que não poderia me casar na igreja, e jamais poderia ver minha família contente com uma cerimónia linda, cheia de flores e cânticos gregos. Vi que se tivesse um filho, ia ser bastante complicado explicar e até embaraçoso demonstrar nas festinhas de pais do colégio, o quanto o nosso amor por ele era tão grande quanto o de uma mãe. Vi que viver em mundo assim era tarefa para super-heróis.

     Decidi então perder, ou deixar de lado, os meus velhos sonhos. Decidi que ser feliz era o mais importante, e o melhor de tudo: Vi e decidi que não importa para os outros a minha felicidade, deveria ser feliz comigo e tentar levar a minha vida normalmente.

     Um dia, espero que muito em breve, possa buscar esses sonhos e ter ao meu lado um lindo esposo. Ter e educar filhos para serem pessoas extremamente flexíveis, compreensíveis, amáveis e de óptimo carácter. Talvez, isso seja um sonho tanto quanto impossível, mas o que posso fazer? Se apesar de tudo ainda tenho comigo uma intacta aura de romantismo...

Diley Rodrigues

 


Espero que tenham gostado quanto eu

Outro texto deste autor em: Histórias & Historietas Eróticas

 

     Nelson Camacho D’Magoito

 

Estou com uma pica dos diabos: feliz por contar esta história
música que estou a ouvir: Santa Lucia de T.Cottrau
publicado por nelson camacho às 22:14
link do post | comentar | favorito
|

.No final quem sou?

.pesquisar

 

.Fevereiro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

.posts recentes

. Namorados

. A Intrusa

. Sábado chato para um amig...

. Um Recado

. As Borboletas

. Estou na prisão do tempo

. As minhas procuras no Nat...

. Pequenas coisas

. A história do Pátio do Ca...

. Finalmente libertei-me.

.arquivos

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Janeiro 2009

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

.tags

. todas as tags

.favorito

. Sai do armário e mãe pede...

. Eurovisão

. Depois de "All-American B...

. Raptada por um sonho ...

. Crónica de um louco senti...

. Terminei o meu namoro!!‏

. Dois anjos sem asas...

. Parabéns FINALMENTE!!!!

. Guetos, porque não?

. “Porque razão é preciso t...

.A Tua visita conta

web counter free

.Sempre a horas para criticar

relojes web gratis

.Art. 13, n.º 2 da Constituição

Ninguém pode ser privilegiado, benificiado, prejudicado, privado de qualquer direito ou isento de qualquer dever em razão de ascendência, sexo, raça, língua, território de origem, religião, convicções políticas ou ideológicas, instrução, situação económica, condição social ou orientação sexual.
blogs SAPO

.subscrever feeds