Sexta-feira, 14 de Novembro de 2008

Arlindo Conde o empresário

 

« Este sou eu.

 

     Se há coisas na vida que detesto é a ingratidão e quando inadvertidamente dou a ideia que não estou grato às pessoas que de uma ou outra forma me ajudaram na vida e não falo nelas nos meus blogues não é por ingratidão ou esquecimento, é simplesmente porque o que por aqui vou escrevendo nada tem a ver com a minha vida privada, mas sim desabafos e criticas há situação ou pessoas do meu país e sempre sobre a minha óptica e estado de raiva que a vida assim me obrigou. Quando acho que o deva fazer, também por solidariedade dou o meu apoio e parabéns a quem acho de devo de dar. É obvio que como tenho mais que fazer nem sempre tenho tempo para vir aqui escrever o que me vai na alma.

     Toda esta prosa vem a propósito de dois comentários que recebi de “Nicas”, em dois os posts meus: Adeus Milú a Menina da Rádio e Parabéns a Marco Paulo. - Você diz que eu sei quem é! Sinceramente e lamentavelmente não estou a ver, mas vou tentar descobrir.

 

 

«Arlindo Conde e eu nos bastidores antes de entrar em cena num espectáculo revisteiro.

 

    Arlindo Conde não está nem nunca esteve esquecido na minha memória nem tão pouco os milhares de espectáculos que fiz sobre o seu comando como meu empresário.

     No pós 25 de Abril, era ele que no dia dos meus anos me telefonava a dar-me os parabéns.

     Encontramo-nos muitas vezes em Campo de Ourique para tomar um copo e recordar alguns momentos passados, inclusive matar saudades dos tempos da PAC único ponto de encontro entre artistas e nossos fãs que se faziam aos Domingos de manhã no Eden Teatro e nos Teatros Maria Vitória e Capitólio do saudoso Parque Mayer. Recordava-mos também com muita mágoa a forma como o Arlindo foi espoliado da sua empresa no tal 25 de Abril e o que mais doía é que foi feito por um seu empregado que por sinal até era seu afilhado. Lembro-me e porque a minha memória não é curta, que foi o Fernando Conde (seu filho mais velho) que quando soube da situação foi às oito da manhã para a porta do banco para levantar o dinheiro que lá tinham, caso contrário até esse lhes era roubado.

     Felizmente que a empresa nas mãos do tal “ladrão” não teve qualquer sucesso e teve de fechar prematuramente. Quanto ao Arlindo, foram os filhos que o ajudaram a sobreviver e a reforma que passou a ter da Rádio.

     Quanto aqueles a quem ele ajudou, por Exemplo: António Calvário que o fez Rei da Rádio vários anos seguido, Artur Garcia e Paco Bandeira que chegaram também a ser Reis da Rádio depressa o esqueceram.

     A PAC tinha um Centro de preparação para artistas da rádio que funcionava nos mesmos parâmetros do Centro de Preparação da Emissora Nacional. Muitos artistas por lá passaram com portas abertas para gravações de discos, tanto no Valentim de Carvalho como na Grande Feira do Disco, assim como percorreram o país com imensos espectáculos de variedades, como se chamava na altura – hoje chamam-se Concertos -.

 

 

   «Nesta foto aqui está o Arlindo, o Calvário e eu, entre outros num jantar que sempre nos brindava antes de um qualquer espectáculo.

 

  Arlindo Conde foi um dos maiores empresários da praça na altura com escritório aberto, os outros, um era porteiro da Emissora Nacional e outros faziam do Café Lisboa o seu escritório.

 

     Quanto a colegas cantores ao que parece, todos se esqueceram dele. Diz “Nicas” nos seus comentários que o Arlindo Conde está esquecido por todos os que ajudou e com os seus 86 anos sente-se nostálgico ao recordar os tempos áureos do nosso meio artístico.

 

     Minha cara amiga, também eu já estou na idade dos “cotas” mas não tenho nostalgia, tenho raiva do que a revolução dos cravos o fez aos artistas nacionais. Uns, foram postos na prateleira porque cantavam o amor a que lhes chamaram de nacionais cançonetistas, outros foram esquecidos simplesmente. Até a Amália Rodrigues agora no Panteão nacional como grande credora de benfeitorias feitas a este país, cinzento e triste, lhe chamaram fascista e que as suas actuações no estrangeiro eram em conluio com a PIDE.

     Também o Tony de Matos e Francisco José, não contando com a parte que me toca, foram colocados na prateleira até à eternidade. Também o Badaró há poucos dias que partiu para o outro lado sem apoio dos “senhores?” que mandam neste país.

     Existem actores, actrizes e cantores a passarem fome ou esquecidos nas suas casas ou atirados para um canto na Caso do Artista.

     Mas temos uma nova geração nos palcos, nas televisões e na rádio que vão aparecendo só porque são bonitos. Eu também já fui, mas aprendi sempre com os mais velhos, coisa que essa gente não sabe o que é. Julgam que já sabem tudo e trazem o rei na barriga.

 

     Podia aqui enumerar os esquecidos que foram grandes. São tantos que não tenho espaço, mas ainda me dá vontade de falar de alguns, por Exemplo: António Mourão, Cidália Moreira, Eugénia Lima, Anita Guerreiro, Aguinaldo Ribeiro, Arlindo de Carvalho, Carlos Miguel (O fininho) que anda a comer na “sopa do sidónio” e tem como telhado o luar da nossa Lisboa.

 

      Além de ser cançonetista, agora são cantores, também fui radialista, agora são papagaios e transmissores de Play list formadas pelas editoras e manda chuvas das rádios.

 

     A situação artística com a tal revolução dos cravos em vez de trazerem algo de novo, para mim, só trouxe liberdade de expressão, mas andam para ai alguns abusadores, pioraram. Veja-se: Os Chamados cantores, nos “concertos” da província, fazem Play-Back. Os actores fazem peças de teatro experimental à custa de subsídios que nós pagamos. Os radialistas, mesmo havendo uma lei para a rádio, não passam os cançonetistas ou fadistas da nossa terra. Voltamos ao conceito salazarista, o que vem do estrangeiro é que é bom. Os novos actores de TV nem sabem onde fica o Conservatório Nacional de Música – parece que agora lhe chamam outra coisa.

 

Amiga Nicas, você fez-me escrever coisas que vão chatear muita gente, assim como fez que levanta-se um pouco o véu de quem sou e fui. Como nunca me escondi atrás de um pseudónimo na net qualquer, talvez tenha chegado a hora de começar a dizer mais verdades sobre o nosso panorama nacional.

 

Quanto ao Arlindo Conde, quando voltei do estrangeiro em 2004, disseram-me que tinha falecido. Estou feliz por ser mentira e vou tentar entrar em contacto com ele.

 

Como diz o outro: Fui muito feliz na PAC e agradeço ao Arlindo.

 

 

São 05:30 da manhã mas não podia deixar este para outro dia

Cançonetistas, actores, radialistas e fãs da arte de representar da nossa terra, tenham esperança que esta crise não dura sempre.

 

  Nelson Camacho D’Magoito

Estou com uma pica dos diabos: com saudades
música que estou a ouvir: Quando tudo está calmo deNelson Camacho
publicado por nelson camacho às 06:24
link do post | comentar | favorito
|
5 comentários:
De Aguiar dos Santos a 2 de Junho de 2009 às 00:06
Que te encontres com muita e boa saude são os meus desejos. Há uns tempos, e por mero acaso, localizei um teu blog (canto do nelson) e, de vez em quando, vou lendo os teus pensamentos e desabafos escritos. E, tenho de reconhecer, ás vezes existem - como que telepáticamente- pensamentos cruzados. Vem isto a propósito do Grande Arlindo Conde. Durante a década de oitenta e noventa, todas as semanas, ía (um dia) á Tentadora beber um café e conversar com o Sr. Arlindo Conde. Porêm, e de repente, deixei de o ver e e de o ouvir telefónicamente já que, eu ligava-lhe para casa, niguem atendia. Na Tenente Ferreira Durão... não existia. Até que um dia, e sem esperar, numas bombas de gasolina que existiam na Av. Infante Santo, encontrei o Fernando e ...tive noticias do Pai e da Mãe. A D. Brigída tinha falecido e o Sr. Arlindo estava com ele e..., segundo ele, bem. Mas... este encontro foi em noventa e nove. Depois disto, tenho tentado localizá-lo, e... nada. Tenho visto , nos ecrans televisivos, alguns indeviduos do nosso tempo, que lhe devem muito daquilo que são e nem uma palavra de reconhecimento. Olha por exemplo... o Marco Paulo. Ouviste-o alguma vez dizer algo? Não admira! Este em setenta e quatro e setenta e cinco andava todo rrôto pela estação do Rossio (onde chegou a pernoitar) e nunca se lhe ouviu qagradecer a quem o reabilitou. O Manuel Paião e o Eduardo Damas deram cinquenta, ou mais, anos ao teatro de revista e ás cantigas, disseram adeus á vida e... ouves alguêm falar deles? Aliás, se perguntares a um qualquer ente se se lembra de Manuel Paião (já aconteceu comigo) respondem logo: Então não me lembro, cantava o playback. Desculpa ter-te estado a maçar, mas, se acaso souberes algo acerca do Grande Arlindo Conde, do Carvalho Ramos(outro a quem tantos devem e niguem fala) ou António Campos... escreve no teu blog, porque ás vezes passo por lá. Um Grande e saudoso abraço.

De Aguiar dos Santos a 2 de Junho de 2009 às 00:17
Desculpa importunar-te , de novo, mas é para lembrar-te o nome de uma das moças que estão contigo numa das fotos que estás com o Marco e fazes aparecer no teu blog é:MARIZÉ. Ensaiva co a D. Herminia Matos.
De Victor a 20 de Março de 2010 às 21:58
Ah! grande Nelson
O nosso amigo Arlindo vai gostar de lêr as suas belas palavras. Agradeço ao JoãoV. Santos por esta informação.
Tudo o que disse é verdade, mas há muito mais!!!
Victor Queiróz
Os Electrónicos (que acompahavam o Fernando)
De Aguiar dos Santos a 2 de Outubro de 2011 às 18:33
Nelson, tenho tentado contactar-te de várias formas mas... não consigo. É para te dizer que não deixas de ter razão em tudo o que dizes acerca dos "amigos" do Arlindo Conde mas, esqueceste-te de um que foi feito de base (talvez por ser teu amigo) pelo Arlindo; Marco Paulo. O João esqueceu-se de quem o fez, junta-o aos outros "amigos" do Arlindo Conde. O GRANDE ARLINDO CONDE FALECEU HÁ DIAS.
Aguiar dos Santos
De nelson camacho a 5 de Outubro de 2011 às 19:43
Meu Caro Aguiar dos Santos é com tristeza que recebo essa noticia. Já fui dar uma volta na net e verifiquei que algo se disse sobre o Arlindo mas somente depois de mim neste post , que foi em Novembro de 2008. Lamento que as pessoas só se lembrem dos homens e mulheres de bem, quando morre. Como já disse num poste último não tenho estado por cá. Depois de saber desta triste noticia também vou dar a minha colaboração no poste que estou a escrever com o titulo "Adeus Arlindo Conde"
Um bem haja para si
Nelson Camacho

Comentar post sem tretas

.No final quem sou?

.pesquisar

 

.Fevereiro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

.posts recentes

. Namorados

. A Intrusa

. Sábado chato para um amig...

. Um Recado

. As Borboletas

. Estou na prisão do tempo

. As minhas procuras no Nat...

. Pequenas coisas

. A história do Pátio do Ca...

. Finalmente libertei-me.

.arquivos

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Janeiro 2009

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

.tags

. todas as tags

.favorito

. Sai do armário e mãe pede...

. Eurovisão

. Depois de "All-American B...

. Raptada por um sonho ...

. Crónica de um louco senti...

. Terminei o meu namoro!!‏

. Dois anjos sem asas...

. Parabéns FINALMENTE!!!!

. Guetos, porque não?

. “Porque razão é preciso t...

.A Tua visita conta

web counter free

.Sempre a horas para criticar

relojes web gratis

.Art. 13, n.º 2 da Constituição

Ninguém pode ser privilegiado, benificiado, prejudicado, privado de qualquer direito ou isento de qualquer dever em razão de ascendência, sexo, raça, língua, território de origem, religião, convicções políticas ou ideológicas, instrução, situação económica, condição social ou orientação sexual.
blogs SAPO

.subscrever feeds