Domingo, 12 de Fevereiro de 2017

A Intrusa

Uma "Intrusa" em minha casa.

 

     Era eu ainda muito jovem, o meu pai conheceu uma estranha, recém-chegada à nossa pequena vila. Vila Boim - Elvas.

     Desde o início, o meu pai ficou fascinado com esta encantadora personagem e, de seguida, convidou-a a viver connosco.

     A estranha aceitou e, desde então, esteve sempre connosco.

     Enquanto crescia, nunca perguntei qual o papel daquela “intrusa” na família; na minha mente jovem já tinha um lugar muito especial.

     A minha mãe ensinou-me o que era bom e o que era mau e o meu pai ensinou-me a obedecer.
     Mas a “intrusa”, como eu lhe chamava, era a nossa conselheira.

     Mantinha-nos enfeitiçados durante horas com aventuras, mistérios e comédias.

     Ela tinha sempre respostas para qualquer coisa que quiséssemos saber de política, história ou ciência.
     Conhecia tudo do passado, do presente e até podia adivinhar o futuro!

     Levou a minha família ao primeiro jogo de futebol.

     Fazia-me rir e fazia-me chorar.

     A “intrusa” nunca parava de falar, mas o meu pai não se importava.

     O meu pai tinha fortes convicções morais, mas a “intrusa” nunca se sentia obrigada a honrá-las.
     As blasfémias, os palavrões, por exemplo, não eram permitidas em casa, nem da nossa parte, nem dos nossos amigos ou de quem nos visitasse.

     Entretanto, a nossa “intrusa” de longo prazo usava sem problemas a sua linguagem inapropriada que às vezes queimava os meus ouvidos e que deixava os meus pais envergonhados.
     O meu pai nunca me deu permissão para beber, mas a “intrusa” sugeria a tentá-lo e fazia-o de forma regular. Fez também com que o cigarro parecesse fresco e inofensivo.
     Falava livremente (talvez em demasia) sobre sexo. Os seus comentários eram às vezes evidentes, outros sugestivos e geralmente vergonhosos.

     Agora sei que os meus conceitos sobre as relações humanas foram influenciados fortemente durante a minha adolescência pela “intrusa”.

     Repetidas vezes a criticaram, mas ela nunca deu importância aos valores dos meus pais, mesmo assim, permaneceu em nossa casa.

     Passaram-se mais de cinquenta anos desde que a “intrusa” veio para a família.     Desde então mudou muito e já não é tão fascinante como era no princípio.

     Os meus pais faleceram mas a “intrusa” continua na minha casa sempre à espera que alguém queira escutar as suas conversas ou dedicar o seu tempo livre a fazer-lhe companhia.

     O nome dela? Ah, é a Televisão. Sim, a “intrusa” é a televisão.

     Agora tem um marido que se chama Computador, um filho que se chama Telemóvel e um neto de nome Tablet.

               A “intrusa” agora tem uma família.

               E a nossa família será que ainda existe? 

 

Qualquer semelhança com factos reais é mera coincidência, ou não! O geral ultrapassa a ficção

             Nelson Camacho D’Magoito

           “Contos DR: J. Alhinho” (306)

               Para maiores de 18 anos

                   © Nelson Camacho
2017 (ao abrigo do código do direito de autor)

Estou com uma pica dos diabos:
publicado por nelson camacho às 12:00
link do post | comentar | favorito
|

Sábado chato para um amigo

Há fins-de-semana que só esperamos pelas segundas-feiras

 

Hoje sábado dei comigo a pensar.

A minha amiga foi dormir (está engripada)

O meu amigo está em família (são os dias deles)

A televisão não tem nada que preste

O meu gato quer é dormir.

Estou sem genica para escrever algo de sério.

Então o que é que eu faço?

 

     Dizem que em dias destes o melhor é ir ao cinema, mas porra está um mau tempo dos caraças.

     Os filmes que tenho em casa, já os vi todos.

     Vir aqui ao face, já kusquei e também ninguém escreve nada de interessante.

     O que ontem esteve perfeito hoje está uma merd@

     Há quem diga que o melhor em dias destes é ir ao shopping, a um clube abanar a cabeça ou ir bater a casa de uma amiga colorida para passar o tempo mas há uma chuvada que desanima até um santo.

     Isto é que vai uma porra!

     Vou esperar por segunda-feira. Pode ser que as coisas melhorem

                               (este recado á para um amigo do coração)

 Qualquer semelhança com factos reais é mera coincidência, ou não! O geral ultrapassa a ficção

               Nelson Camacho D’Magoito

        “Contos ao sabor da imaginação” (307)

               Para maiores de 18 anos

                   © Nelson Camacho
2017 (ao abrigo do código do direito de autor)

Estou com uma pica dos diabos:
publicado por nelson camacho às 10:10
link do post | comentar | favorito
|

.No final quem sou?

.pesquisar

 

.Fevereiro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

.posts recentes

. Namorados

. A Intrusa

. Sábado chato para um amig...

. Um Recado

. As Borboletas

. Estou na prisão do tempo

. As minhas procuras no Nat...

. Pequenas coisas

. A história do Pátio do Ca...

. Finalmente libertei-me.

.arquivos

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Janeiro 2009

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

.tags

. todas as tags

.favorito

. Sai do armário e mãe pede...

. Eurovisão

. Depois de "All-American B...

. Raptada por um sonho ...

. Crónica de um louco senti...

. Terminei o meu namoro!!‏

. Dois anjos sem asas...

. Parabéns FINALMENTE!!!!

. Guetos, porque não?

. “Porque razão é preciso t...

.A Tua visita conta

web counter free

.Sempre a horas para criticar

relojes web gratis

.Art. 13, n.º 2 da Constituição

Ninguém pode ser privilegiado, benificiado, prejudicado, privado de qualquer direito ou isento de qualquer dever em razão de ascendência, sexo, raça, língua, território de origem, religião, convicções políticas ou ideológicas, instrução, situação económica, condição social ou orientação sexual.
blogs SAPO

.subscrever feeds