Sábado, 18 de Agosto de 2012

Camara Municipal de Lisboa – Mais uma triste ideia

 

lisboa-rua augusta-arco triunfal

 

Como português e alfacinha de gema gostava de ser esclarecido pela Câmara Municipal de Lisboa sobre o atentado no Monumento Nacional do Arco Triunfal da Rua Augusta.

 

    Encontrando-me numa fase da vida em que sair do meu canto é raro mas de vez em quanto apetece-me dar uma volta pela minha lisboa foi o que aconteceu no outro dia, dia de sol a apetecer beber uma cervejinha numa das esplanadas da rua Augusta.

    O Sol batia-me na nuca e ia esbater-se no Arco Triunfal que separa a rua com a Praça do Comércio e algo brilhava lá no fundo. Achei estranho mas não liguei. Estava feliz por estar na minha velha Lisboa.

Embora a crise financeira seja muita a rua estava cheia de turistas nacionais e estrangeiros.

    Sendo uma rua de ligação com os barcos para a outra banda, esta é sempre um fervilhar de gente no vai e vem, umas para casa outros para o trabalho, aqueles que ainda o têm. As lojas! Ainda são algumas que se vão aguentando abertas. De gente, só se via os empregados á porta, tal saudosa “Feira Popular “convidando os passantes a entrar. Alguns, entrar, entravam, mas comprar algo, nicles e os empregados voltavam até à porta, sorrindo para os passantes como a convidá-los a gastarem uns cobres.

    No meio daquele turbilhão de gente, lá estava o “Homem Estátua”, o Músico de rua mostrando a sua maestria com sua guitarra elétrica e outro com uma guitarra portuguesa esganiçando um fado dos outros tempos. Lá mais ao fundo bancas de artesanato um pouco de todos os cantos deste planeta que por ali se movimentam tentando vender umas quinquilharias a turistas. Também havia uns fulanos muito anafados que se dirigiam a toda a gente tentando vender-lhes algo com promessas de sonhos felizes – apartamentos de férias no Algarve, colchões ditos ortopédicos, seguros e máquinas que prometem emagrecer sem fazer força – tudo se tenta impingir ao mais incauto. Não faltava a vendedeira de flores que me fez lembrar “A Júlia Florista” que o saudoso Max tão primorosamente cantava. Só faltava o puto a vender às escondidas, como antigamente, as camisinhas para não procriar. Hoje, vendem-se em máquinas e supermercados e são para prevenção contra a SIDA. Lá a um canto lá estavam dois com cara de caso, tentando oferecer o seu produto (droga). Também não faltavam outros mais velhos tipo aciganados que ofereciam uma arma a baixo custo.

    Esta é a Lisboa cosmopolita do tempo das novas tecnologias, dos assaltos, dos roubos dos pederastas e da miséria.

Tinha vindo até Lisboa para me distrair e acabei por estar triste. Lisboa já não é a Lisboa que eu adoro e que podia passear livremente a qualquer hora do dia ou da noite. Dizem que são outros tempos e outras vontades.

    Acabei de beber a segunda cervejita e lá fui caminhando rua fora até ao nosso Arco do Triunfo.

Lisboa-Praça do Comércio-Arco Triunfal

    Já agora, convém relembrar que aquele Arco Triunfal da Rua Augusta que dá entrada para a Praça de D. José (Chamada Praça do Comércio) foi erguida e inaugurada no século XIX, mais de um século depois dos restantes edifícios que circundam a Praça do Comércio, é considerado como Monumento Nacional. Por ali entravam altas individualidades do mundo, se faziam paradas militares e partiam os grandes senhores à descoberta de outras paragens e riquezas que traziam nas suas naus e caravelas.

    Caminhando ao encontro daqueles reflexos de sol que vinham do tal arco, deparei com o horror dos horrores o atentado contra aquela beleza arquitetónica pombalina do belo arco.

    Seis antigas janelas de madeira nas paredes laterais do Arco foram substituídas por outras de alumínio prateado que constitui um atentado ao património cultural e histórico na Baixa Pombalina.

    Já não basta a degradação em que se encontra o arco neste momento que sofre de várias patologias resultantes de anos a fio de incúria.

Considero como cidadão ter o direito de perguntar a quem de direito na Camara Municipal de Lisboa a quando o restauro deste monumento histórico e nacional deve ser feito reproduzindo a época em desenho e material com a reposição dos materiais originais que dão coerência e unidade formal a este conjunto arquitetónico Pombalino que todos nos devemos orgulhar.

 

     Não me digam que não há dinheiro para reconstrução e limpeza dos monumentos degradados pela erosão dos tempos.

     Eu lembro-me de nos anos cinquenta, quando comecei a trabalhar, ver camionetas com presos que se dirigiam para o atual edifício da Policia judiciária para o construir.

     Outros tempos, outras vontades.

 

   Nelson Camacho

Estou com uma pica dos diabos: e triste por esta lisboa
música que estou a ouvir: Júlia Florista
publicado por nelson camacho às 21:36
link do post | comentar | favorito
|

.No final quem sou?

.pesquisar

 

.Fevereiro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

.posts recentes

. Namorados

. A Intrusa

. Sábado chato para um amig...

. Um Recado

. As Borboletas

. Estou na prisão do tempo

. As minhas procuras no Nat...

. Pequenas coisas

. A história do Pátio do Ca...

. Finalmente libertei-me.

.arquivos

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Janeiro 2009

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

.tags

. todas as tags

.favorito

. Sai do armário e mãe pede...

. Eurovisão

. Depois de "All-American B...

. Raptada por um sonho ...

. Crónica de um louco senti...

. Terminei o meu namoro!!‏

. Dois anjos sem asas...

. Parabéns FINALMENTE!!!!

. Guetos, porque não?

. “Porque razão é preciso t...

.A Tua visita conta

web counter free

.Sempre a horas para criticar

relojes web gratis

.Art. 13, n.º 2 da Constituição

Ninguém pode ser privilegiado, benificiado, prejudicado, privado de qualquer direito ou isento de qualquer dever em razão de ascendência, sexo, raça, língua, território de origem, religião, convicções políticas ou ideológicas, instrução, situação económica, condição social ou orientação sexual.
blogs SAPO

.subscrever feeds