Sexta-feira, 10 de Maio de 2013

Homenagem ao migo João Villaret

 

João Villaret - Homenanem de Nelson Camacho

 

O Centenário do nascimento de João Villaret

 

     João Henriques Pereira Villaret de seu nome próprio, nasceu em Lisboa a 10 de Maio de 1913 e viria a falecer na sua cidade em 21 de Janeiro de 1961.

     O actor, encenador e declamador João Villaret faria nesta data: 10 de Maio de 2013 cem anos se uma maldita doença prolongada não o tivesse levado para junto de outras estrelas que se encontram no céu talvez recitando “Procissão” de António Lopes Ribeiro.

 

      Depois de frequentar o Conservatório Nacional de Teatro, começou por integrar o elenco da companhia de teatro lisboeta Amélia Rey Colaço-Robles Monteiro no Teatro Nacinal D. Maria II..

     Mais tarde, fez parte da companhia teatral Os Comediantes de Lisboa, fundada em 1944 por António Lopes Ribeiro e o seu irmão Francisco Ribeirinho “O Ribeirinho”.

     Em 1954 tive a felicidade de o ver representar numa interpretação considerada antológica dando uma pedra no charco em a peça “Esta Noite Choveu Prata” de Pedro Bloch, no extinto Teatro Avenida, em Lisboa.

     Mais um teatro que ardeu e como é hábito no nosso país o que arde nunca mais se constrói. Foi neste teatro onde vi grandes artistas como Mirita Casimiro e mais tarde Bobi Ferreia em “Fogo no Pandeiro” e outros mais.

     Tive por várias vezes a felicidade de conviver com este senhor nas tertúlias no Café Brasileira do Rossio e numa esplanada do saudoso Parque Mayer. João Villaret era também um amigo, pois foi contratado como cabeça de cartaz por minha mãe enquanto proprietária do programa/espectáculo itinerante “A Hora do Pica-Pau” Foi com ele que aprendi o que era ser artista e como dizer as palavras no meu inicio de carreira.

     Consta no seu palmarés algumas representações nos filmes:

         - O Pai Tirano, de António Lopes Ribeiro (1941), numa breve aparição, como pedinte mudo;

         - Inês de Castro, de Leitão de Barros (1945), onde representa Martin, o bobo;

         - Camões, de Leitão de Barros (1946);

         - Três Espelhos, de Ladislao Vadja (1947), onde representa o inspector;

         - Frei Luís de Sousa, de António Lopes Ribeiro (1950), no papel de criado Telmo Pais;

         - O Primo Basílio, de António Lopes Ribeiro (1959), no papel de Sebastião.

 

     João é conhecido e reconhecido como declamador quando em 1941 causou algum escândalo quando decidiu, enveredar pelo teatro de revista, provando em êxitos sucessivos que era possível conciliar o género dramático e o de revista. A mais popular de todas terá sido “Tá Bem Ou Não Tá?” em 1947, onde popularizou o célebre Fado Falado, da autoria de Aníbal Nazaré e Nélson de Barros, que mais não era que um recitativo sobre melodia de fado onde a letra em vez de ser cantada era declamada. Este género de dizer poesia ganhou enorme popularidade, especialmente depois de “A Vida É Um Corridinho” de 1952 ou o famoso “A Procissão” (1955), da autoria de António Lopes Ribeiro.

     De entre as suas peças mais célebres, destacam-se “A Recompensa” (1937), de Ramada Curto, “A Madrinha de Charley” (1938), de Brandon Thomas, “Leonor Teles” (1939), “Melodias de Lisboa” (1955), da sua autoria e “Não Faças Ondas” (1956)

     Nos anos 1950, com o aparecimento da televisão, transpõe para este meio de comunicação a experiência que adquirira no palco e em cinema, assim como em programas radiofónicos. Aos domingos declamava na RTP, com graça e paixão, poemas dos maiores autores nacionais.

     Ficaram célebres, entre outras, as suas interpretações de:

         - ‘Procissão’, de António Lopes Ribeiro;

         - ‘Cântico negro’, de José Régio;

         - ‘O menino de sua mãe’, de Fernando Pessoa.

 

     A 2 de Abril de 1960 foi feito Oficial da Ordem Militar de Sant'Iago da Espada.

     Em 1965 Raul Solnado edificou em sua memória o Teatro Villaret.

     Porque os seus colegas e público no geral não o esquecem durante alguns anos, celebraram o aniversário da sua morte com um recital de poemas no Cinema S. Jorge, onde a sua voz se ouvia num palco vazio iluminado apenas por um foco de luz.

     Em várias cidades de Portugal existem ruas com o seu nome.

     Em, Loures também existe uma escola com o seu nome.

 

     Diz-se que Meia hora antes de falecer as suas últimas palavras foram dirigidas a Vasco Morgado (O Lá Féria da época) “ Ainda havemos de montar grandes espectáculos!".

 

     Espero que o Pelouro da cultura da Câmara Municipal de Lisboa, este ano pelos seus cem anos faça o mesmo na sala maior do nosso teatro, ou seja no teatro D. Maria II

 

 

Entretanto aqui fica "Se" de Rudyard Kipling na voz de João Villaret

Numa das suas aparições na RTP

http://www.youtube.com/watch?v=wbSzumecW5c

 

Palavras de João Villaret; ‘Não digo versos; procuro reproduzir o momento de angústia, de alegria, de revolta que o poeta sentiu ao escrever o seu poema. Recitando, encontro a plena libertação, pois dou-me esse infinito gosto de interpretar aquilo que amo e que me tocou profundamente.’

 

 

 Nelson Camacho

 

Estou com uma pica dos diabos: e com saudades
música que estou a ouvir: Procissão
publicado por nelson camacho às 02:09
link do post | comentar | favorito
|

.No final quem sou?

.pesquisar

 

.Outubro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. A busca de ser importante...

. Palavras de Hitler

. Um dia, num lar de idosos...

. Eu era homofóbico

. A prostituição mora no Pa...

. Um amigo colorido

. Namorados

. A Intrusa

. Sábado chato para um amig...

. Um Recado

.arquivos

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Janeiro 2009

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

.tags

. todas as tags

.favorito

. Sai do armário e mãe pede...

. Eurovisão

. Depois de "All-American B...

. Raptada por um sonho ...

. Crónica de um louco senti...

. Terminei o meu namoro!!‏

. Dois anjos sem asas...

. Parabéns FINALMENTE!!!!

. Guetos, porque não?

. “Porque razão é preciso t...

.A Tua visita conta

web counter free

.Sempre a horas para criticar

relojes web gratis

.Art. 13, n.º 2 da Constituição

Ninguém pode ser privilegiado, benificiado, prejudicado, privado de qualquer direito ou isento de qualquer dever em razão de ascendência, sexo, raça, língua, território de origem, religião, convicções políticas ou ideológicas, instrução, situação económica, condição social ou orientação sexual.
blogs SAPO

.subscrever feeds