Segunda-feira, 10 de Junho de 2013

My Love (It could happen to you) - Parte III

torre de molinos - my love

Uma história de amor que podia ser a sua

(um conto longo)

(ver parte II)

 

III Capítulo

 

Estadia em Palma de Maiorca

 

Como já tinham chegado tarde, desfizeram as malas e foram todas deitar-se.

 

     Na manhã seguinte encontraram-se todos ao pequeno-almoço e a D. Gertrudes não parou elogiar a filha da amiga indo ao ponto de subtilmente dizer por várias vezes que seria um bom partido para o seu rebento mas este não ligava peda.

     Acabado o repasto, combinaram irem todos até à praia mas os rapazes desculpando-se que para o primeiro dia preferiam ficar por ali a fim de experimentarem a piscina do hotel e dar uns mergulhos.

 

E assim foi! Uns para a praia e os outros para a piscina.

 

     A conversa da D. Gertrudes enquanto na praia resumiu-se a elogiar a filha da amiga que estava com a ideia de vir a estudar para médica já que a mãe era enfermeira e embora divorciada, cuidava da Isabel como princesa, nunca lhe faltando com os seus desejos. Para que tudo ficasse bem esclarecido na sua mente também quis saber a causa do divórcio da amiga. Nos intermédios das suas indagações subjectivas lá ia dizendo que a miúda seria um bom partido para o filho, rapaz estudioso e bastante atinado. Até já fazia tenções de manda-lo tirar a carta e comprar um carrito para não ficar atrás do amigo que os pais já lhe tinham dado um carro.

     Dizia ela que o filhote com um carrito já podia levar uma namorada a passear.

 

     Já a D. Eugénia não estava nada interessada na vida da Helena e quanto ao filho João, comentava que ele tinha tempo de resolver a sua vida quando e com quem quisesse.

 

     D. Helena por sua vez contava a sua vida, não de grandes dificuldades financeiras mas da forma como o marido a tinha abandonado. Um dia disse que ia comprar tabaco e nunca mais voltou ficando com a filha quando tinha três anos. Com o ordenado do hospital e o de uma clínica privada onde fazia umas horas, conjuntamente com um apartamento que tinha herdado dos pais e alguma verba que os mesmos lhe deixaram quando faleceram, a coisa lá ia andando com a filha a estudar com a possibilidade de vir a ser médica. Era uma menina prendada não amiga de muitas colegas e ainda não namorava portanto talvez fosse um bom partido para o João.

D. Gertrudes cada vez estava mais satisfeita com o que ouvia e via o seu querido rebento de braço dado com a Isabel.

 

João e Carlos na piscina do hotel

 

     Entretanto, João e Carlos como quando desceram para o pequeno-almoço já vinham de calções de banho e toalha nem foram ao quarto, dirigiram-se logo para a piscina após a refeição.

     O João subiu pelas escadas do trampolim de meia altura e fez em mergulho acrobático enquanto o Carlos na beira da piscina fez um salto à retaguarda para a água.

     Deram logo nas vistas e foram aplaudidos pelos veraneantes que por ali se bronzeavam. O João voltou a subir mais alto e mais um salto acrobático com salto em pranchado. Carlos não esteve com maias medidas e foi imitar o amigo e mais uma vez receberam fortes aplausos dos que os estava a ver.

     Se havia alguém feliz naquele espaço! Aqueles rapazes eram a prova evidente que a amizade pode tornar as pessoas felizes. Ainda deram mais nas vistas pelos seus corpos delineados pela força do ginásio que frequentavam assim como o desporto que praticavam. Fora de água brincaram à apanhada até que se deitaram nas cadeiras que rodeavam a piscina.

          - Fora de água está um sol das caraças. – disse o João – Pena não termos trazido um bronzeador.

          - Lá por causa disso, vou buscar um!

 

Na piscina do hotel - My Love

     Palavras não eram ditas e o Carlos levantou-se e lá foi à recepção comprar um tubo de bronzeador e voltou todo contente por satisfazer o amigo que estava deitado de costas e o começou a bronzear com o produto que tinha comprado.

     O João remexeu-se no cadeirão como quem está a ter prazer e passado um bocado, virou-se.

           - Já agora! Também no peitinho! - E riu-se

           - Já que tanto insistes! Eu depois também quero.

     Aquela besuntadela do creme pelo bíceps feita pelo Carlos começou a dar algum bem-estar desconhecido até então a ambos. Carlos notou que algo se estava a levantar nos calções do João e sem querer ou não, colocou mais um pouco de creme nas mãos e começou massajando-lhe a barriga até seus dedos caminharem por entre os calções do João, até um pau que ele nunca tinha tocado a não ser o seu. João estremeceu e poucos segundos depois levantou-se.

           - Agora e a minha vez. E pegando no Carlos trocaram de posições começando o João a besuntar as costas do Carlos que ao contrario deste, as mãos foram descendo até ao interior dos calções daquele indo parar um dos dedos ao rego do cu e massajando-o.

    

     O que estava a acontecer entre ambos, não sabiam bem, nem que estavam a dar nas vistas tão alheados estavam com o prazer que sentiam como nunca tinha acontecido, até que notaram uma sensação estranha nos seus paus que já estavam hirtos e prontos a saltarem cá para fora. Olharam em redor e notaram em outros dois rapazes que sorriam com caras de malandrecos.

     Sentiram-se um pouco envergonhados, deram umas gargalhadas, levantaram-se e atiraram-se para a água.

     Fizeram um pouco de natação e quando olharam para os tais rapazes, estes levantaram os dedos como a dizerem ok.

     Passado para aí meia hora bem contada, resolveram sair. Passaram belo bar pediram uns sumos e subiram até ao quarto.  

 

As corujas na praia

 

     Na praia os casais maravilha continuavam nos seus banhos de sol e de mar.

          - A sua filha parece ser uma menina muito atinada – dizia a D. Gertrudes.

          - Felizmente é uma menina muito prendada e estudiosa. Não calcula o que são os rapazes lá da escola atrás dela mas graças a Deus que ainda não se embeiçou por nenhum.

          - Mas não a quer para freira, certamente!

     D. Eugénia que estava deitada na areia a ouvir a conversa não aguentou mais:.

          - Seja Freira ou não o que se lhe deve pedir é juízo quando encontrar um namorado e procurar a felicidade pois tem o exemplo em casa.

          - Mas D. Eugénia lá em casa não há maus exemplos e quem saio de casa não fui eu mas o meu marido. – atirou D. Helena um pouco irritada.

          - Mas é isso mesmo que quero dizer! De forma alguma a queria ofender. Olhe para o meu filho Carlos só quero que encontre o caminho certo com quem e quando quiser. Para casamenteira já basta a nossa amiga Gertrudes.

          - Essa de casamenteira certamente não é comigo, mas que dava um bom casal entre o meu João e a Isabel, lá isso é verdade.

     As três como velhas gaiteiras ficaram um pouco amuadas com os dexotes e deitaram-se se papo para o ar sem mais conversa.

     Entretanto os homens nada se aperceberam daquelas conversas entre mulheres pois tinham ido dar uma volta pelo areal a fim de ver as vista.

     Já a Isabel um pouco afastada das mães corujas lá ia trabalhando para o bronze também sem se meter nas tricas.

     Quando os machos lá da casa se aproximaram das suas corujas perguntaram:

          - Então os nossos rapazes ainda não apareceram?

     Toda irritada, Gertrudes respondeu:

          - Ficaram lá na piscina aos saltos como os macacos e nem se lembraram que temos visitas (referia-se à Isabel)

          - Deixem lá os rapazes que foram criados como irmãos e sabem bem o que fazem. – disse o Marques sempre complacente.

 

OS DOIS NO QUARTO

(Há sempre uma primeira vez)

 

     Assim que entraram no quarto o João dirigiu-se de imediato para o chuveiro e perguntou: - Não vens?

    Carlos embora durante toda a sua vida tivesse andado com o João nas mesmas escolas, ginásios e desporto, nunca se tinham visto nus como nunca tinha tomado banhos juntos. Mesmo assim, como a coisa mais natural do mundo, tirou os calções e entrou no chuveiro.

 

     Entretanto o resto da família já tinha chegado ao hotel e uma das senhoras foi-lhes bater à porta informando que já tinham chegados, iam tomar banho e prepararem-se para o jantar.

 

Boys no chuveiro pela primeira vez

     Quando bateram à porta ainda eles se estavam mirando e analisando seus corpos musculados como ainda não tinham estado tão perto. A água que caia em seus músculos e pela proximidade dos corpos vinha saltando de um para o outro indo parar às partes mais salientes dos corpos, ou seja seus pénis.

     Então algo de estranho para o Carlos começou a ver o pénis do João começar a levantar-se e observou:

          - É pá! Isso levanta-se assim com tanta facilidade?

          - Não sei! Se calhar é por estaremos juntos!

          - És um tretas! Já há pouco na piscina quando te besuntei com o creme solar notei que ele se levantou.

          - Não sei o que é mas quando me tocas fazes-me tesão. Posso ensaboar-te as costas?

 

Então o Carlos virou-se ficando de costas para o João que começou a ensaboar-lhe as costas.

 

     O seu pénis começou a levantar-se cada vez mais e encostando-se cada vez mais ao Carlos que também o seu instrumento começava a dar ar da sua graça, foi direito às entre nádegas do Carlos que o sentindo encostou-se mais ao amigo que de imediato foi com as mãos até ao pénis do Carlos que também já estava hirto dizendo:

          - Parece que estamos a gostar! - Ao mesmo tempo que começava a beijar o lóbulo de uma das orelha do Carlos que virando a cabeça olhou fixamente para o amigo. Estiveram naquilo escassos minutos até que se viraram e ficando frente a frente entrelaçando suas gaitas, começaram-se beijando sofregamente ao mesmo tempo que se abraçavam.

     João deixou de o abraçar e segurou com ambas as mãos a cabeça do Carlos. Olharam-se olhos nos olhos mais uma vez mas com ar de interrogação e o João desligou a torneira do chuveiro e começou baixando-se ao mesmo tempo que ia beijando o corpo do Carlos até às zonas digitais metendo em sua boca aquele pau hirto e firme, como diz o outro, mamando-o sofregamente num vai e vem constante e apertando com seus lábios aquela glande lustrosa e escarapuçada.

     Carlos gemia de prazer e movimentava-se freneticamente como estivesse a foder uma vagina. De repente! Afastou-se e como louco só disse:

          - Também quero experimentar!..

     Baixou-se e foi ao encontro do pau do amigo e tal como ele meteu na boca chupando aquele néctar que já saia em grande perfusão. Deu duas bombadas no seu e também se veio rapidamente.

     Sem dizerem quaisquer palavras, ambos sem darem por isso ligaram a torneira do chuveiro e acabaram por se banhar.

 

 Boys no chuveiro - My Love - o Canto do nelson

 

     Do lado de lá da porta D. Gertrudes – a casamenteira - não parava de bater á porta perguntando se estavam a dormir e que dentro de uma hora hera o jantar

 

     Os rapazes nada ouviram e mesmo que ouvissem não estavam em condições de responder.

     Saíram do duche ambos com ar comprometido mas sem comentarem o que tinha acontecido. Eram amigos de infância e quase irmãos e respeitavam-se tanto que nada disseram e se algo lhes passasse pelo pensamento teria sido uma experiência própria da sua puberdade. Já tinam dezoito anos, eram descomplexados e já tinham ouvido história de colegas que faziam o que eles tinham feito, portanto, aquilo nada mais era que uma experiência própria da idade.

     Já se estavam a vestir quando o telefone tocou – como não podia deixar de ser era a casamenteira (mãe do João) perguntando se estava, a dormir e que iam descer para o jantar e que a Isabel já tinha perguntado por ele. (mentira! Gertrudes já estava era a atirar e Isabel ao seu querido filho pois via ali um bom partido).

 

Aquele jantar ficaria na memória daqueles rapazes para toda a eternidade.

 

     D. Gertrudes não se cansava de atirar a Isabel a seu filho independentemente de este não ligar muito e seu marido por certas vezes tocar com os pés nas pernas da mulher como quem diz – Oh mulher cala-te com isso.

     Quanto a Isabel. Esta coitada via-se um pouco constrangida com tantos ataques e elogios.

     A Helena compartilhava da mesma opinião da amiga, pois via ali um bom partido.

     Quanto aos país do Carlos durante todo o jantar tentaram sempre levar a conversa para outros caminhos, dizendo por vezes que eles ainda eram novos para pensarem em casamentos. Primeiro tinham de gozar a vida e encontrar uma estabilidade económica.

 

    Quanto a João e Carlos lá iam aguentando toda aquela trama sem comentários. Como estavam ainda com o efeito do que tinha acontecido no chuveiro ainda estavam mais incomodados. E depois do jantar nem sequer foram até ao bar tomar o café do costume. Pediram desculpas dizendo que estavam cansados e recolheram ao quarto.

 

 

Você aí que me está lendo pare um pouco e volte mais tarde porque a coisa vai esquentar.

(Ir para a IV Parte)

 

 

Qualquer semelhança com factos reais é mera coincidência. O geral ultrapassa a ficção.

As fotos aqui apresentadas são livres de copyright e retiradas da Net.

 

 

              Nelson Camacho D’Magoito

            “Contos ao sabor da imaginação”

                    de Nelson Camacho

 

Estou com uma pica dos diabos:
música que estou a ouvir: my way
publicado por nelson camacho às 14:55
link do post | comentar | favorito
|

.No final quem sou?

.pesquisar

 

.Fevereiro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

.posts recentes

. Namorados

. A Intrusa

. Sábado chato para um amig...

. Um Recado

. As Borboletas

. Estou na prisão do tempo

. As minhas procuras no Nat...

. Pequenas coisas

. A história do Pátio do Ca...

. Finalmente libertei-me.

.arquivos

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Janeiro 2009

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

.tags

. todas as tags

.favorito

. Sai do armário e mãe pede...

. Eurovisão

. Depois de "All-American B...

. Raptada por um sonho ...

. Crónica de um louco senti...

. Terminei o meu namoro!!‏

. Dois anjos sem asas...

. Parabéns FINALMENTE!!!!

. Guetos, porque não?

. “Porque razão é preciso t...

.A Tua visita conta

web counter free

.Sempre a horas para criticar

relojes web gratis

.Art. 13, n.º 2 da Constituição

Ninguém pode ser privilegiado, benificiado, prejudicado, privado de qualquer direito ou isento de qualquer dever em razão de ascendência, sexo, raça, língua, território de origem, religião, convicções políticas ou ideológicas, instrução, situação económica, condição social ou orientação sexual.
blogs SAPO

.subscrever feeds