Domingo, 23 de Junho de 2013

Isto poderia acontecer a você - Parte VIII

punução - homofobia

It Could Happen To You

Uma história de amor que podia ser a sua

(um conto longo)

   (ver parte VII)

 

VII Capítulo

 

(Quando João é posto fora de casa)

 

     Aquele apontar do dedo de D. Gertrudes dirigido à porta de saída para seu filho somente porque tinha gorado todas as suas expectativas quando mãe, coisa que ela não entendia nem queria entender, foi o culminar de uma tragédia.

     João do alto da sua dignidade, nem uma lágrima. Cabisbaixo foi recolher-se junto de quem lhe tida dado amor e carinho verdadeiro durante vários anos.

     Os Marques adivinhando que algo de grave se tinha passado não só o receberam de braços abertos como nem quiseram saber o que se tinha passado. Estava na hora de jantar e para lá se dirigiram.

     Conversas? Para quê? O silêncio em situações graves move montanhas. Quando há amor entre as pessoas por vezes o silêncio é nobre, embora as consequências sejam inauditas! Não é preciso comentar o que vai na alma de cada um. É uma resolução tenebrosa que só a cada um corresponde.

 

     O repasto foi curto. Findo, a Dr.ª Eugénia retirou-se para os seus aposentos, deixando os homens no salão para o café e o conhaque do costume.

        - Hoje não quero café! Apetece-me antes um grande copo de Whisky. – disse ainda cabisbaixo o João.

        - Mas filho! O whisky não te leva a nada, mas até podes beber uma garrafa. – disse carinhosamente o pais do Carlos.

     Foram estas palavras de carinho vindas daquele homem que não lhe era nada que fez com que uma lágrima lhe escorresse pelas faces

     Carlos abraçou-o e ao ouvido comentou. “Este também é teu pai e amigo”

     Marques como bom advogado e conselheiro e homem por onde lhe passaram pela cátedra casos idênticos, aproximou-se deles a abraçou-os.

     Todos beberam mais um copo e trocaram impressões sobre as férias que tinham acabado de fazer em Paris sem nunca tocarem em assuntos que melindrassem foque quem fossa, até vinda lá de dentro entrou D. Eugénia já de robe vestido.

        - Então hoje não se vão deitar? Amanhã é Domingo e têm tempo para resolver os problemas.

 

O Caminho para a resolução do problema

 

Recordar momentos na piscina

     O Domingo estava esplendoroso o Sol lá do alto era forte e reflectia-se nas pequenas ondulações da piscina derivado a um pouco de vento que corria. Como já era meio-dia quando todo mundo se levantou veio espreitar como estava o dia e resolveram fazer um pequeno-almoço almoçarado no quintal junto à piscina.

 

     Sobre o que se tinha passado na noite anterior em casa do João, depreende-se que tanto o casal Marques como os dois rapazes no conchego das suas camas, conversaram sobre o assunto e delinearam os futuros.

Efectivamente D. Eugénia entregou uma chave a cada um dos rapazes do apartamento da Ericeira e só recomendou:

     Quando quiserem podem ocupá-la e trata-la como se fosse vossa. Só pagam a água a luz e o gás. Como não tem mobília isso fica por vossa conta e gosto.

        - Eu até fico no chão. - Retorquiu o João.

     Com o ar mais simplório deste mundo mas com um sorriso rasgado o Carlos respondeu:

        - Se quiseres o problema é teu! Desde que não sirva de colchão.

        - Então meninos!!!!  - Atacaram os Marques misturando grandes gargalhadas.

 

     Entre umas coisas leves que foram arranjando para comer e uns saltos na piscina porque o dia se proporcionava, naquele domingo delinearam o próximo futuro de todos.

 

     Na segunda-feira os rapazes seriam presentes nos escritórios do Dr. para serem apresentados aos seus sócios. D. Eugénia iria dar umas limpezas no apartamento.

     Como os escritórios era em Lisboa e como ainda não tinham mobília no apartamento, ficariam lá em casa sempre que lhes apetecesse, até o “ninho” (como carinhosamente o pai Marques lhe chamava) estivesse em condições de habitabilidade.

 

     Por incrível que parecesse, ou não. Os pais do João naquele Domingo embora estivessem em casa. Não deram o ar das suas graças.

 

     Foi naquele Domingo que findou a ligação de João com os pais. Em contrapartida este descobriu outros substitutos.

 

     João tinha sido adoptado pelos pais do Carlos e Deus os iria ajudar com toda a sua benevolência. No final de contas, aqueles rapazes não fizeram mal a ninguém, só queriam ser felizes sabendo com o que tinham de arcar para essa felicidade permanece.

 

Seis meses depois

 

 

Dormindo de conchinha

 

 

     Não se poderá dizer que aqueles dois rapazes eram um casal normal no que diz respeito à constituição de um lar. Tinham apanhado um apartamento onde só constava os electrodomésticos iniciais numa casa e uma cama que apressadamente foram comprar para inicialmente ser habitável, mas tinham algo em comum com uns recém-casados. A Maior felicidade do mundo.

     Contrariamente a muitos, tinham planificado as suas vidas tanto na parte económica como na social.

Mensalmente retiravam dos seus ordenados uma percentagem igual para as despesas prioritárias de manutenção da casa. Depois outra verba também em iguais partes para a compra do mobiliário que levou seis meses a concluir. Despesas supérfluas, eram suportadas por um de cada vez que lhes apeteciam convidar o outro para um cinema, um teatro ou uma exposição de arte. Até o tabaco era comprado mensalmente fazendo parte das despesas chamadas prioritárias assim como a gasolina que utilizavam para as idas para o trabalho, já que só utilizavam um carro. Raramente ficavam em casa dos pais do Carlos.

 

     Os seus planos de concluiu passados seis meses estavam concluídos e tiveram o seu primeiro desaire.

 

          “João nunca mais tinha falado com os pais. (embora tivesse feito várias tentativas, estes nunca mais o quiseram receber desde o dia em que D. Gertrudes lhe apontou a porta de saída) já os pais do Carlos, não só os acompanharam profissionalmente no seu escritório como moralmente”.

 

     Já com o apartamento todo mobilado resolveram em uma sexta-feira convidar ambos os pais para um almoço em sua casa do próximo Domingo.

     Os pais do Carlos foram convidados no escritório (que aceitaram prontamente) e os pais do João telefonicamente tendo por resposta da mãe deste “que não ia a casa de maricas…”

 

     Foi como um balde de água gelada (dizer fria é pouco) que rodos receberam a notícia daquela senhora, mãe e médica mas o almoço fez-se, assim como muitos durante dois anos até que aconteceu o improvável.

 

     Carlos tinha contraído uma constipação e telefonou para o pai contando o sucedido e que não ia nesse dia ao escritório. O João iria sozinho.

 

     Naquele dia as horas para o Carlos pareciam serem mais longas que qualquer outro dia. Na cama bebendo continuamente leite com mel acompanhado por comprimidos antigripais o seu entretenimento era a televisão acabando por adormecer.

     Por força da gripe e dos comprimidos acabou por adormecer e nem deu pela falta do João. Quando acordou estava a dar o telejornal da manhã e estava a dar uma notícia sobre um grave acidente na IC19 onde tinham estados vários carros envolvidos. Teve um baque no coração, esticou um braço até o local onde estaria o seu amigo, mas ele não estava lá.

     Foi com um terrível pensamento e tremendo por todos os lados que se agarrou ao telefone e ligou para o pai, perguntando se o João estava lá.

        - Não filho!!!..  Ele até saiu mais cedo do escritório porque tu estavas doente.

        - Pai! Ele ainda não apareceu em casa! Liga a televisão, Estão a dar uma notícia de um acidente na IC19 (nesta altura Carlos já se levantava para se vestir e chorava convulsivamente como a adivinhar o pior, de tal forma que já nem ouviu o pai dizer para ter calma pois iria saber o que se passava).

     O Dr. como advogado ligou para a policia para saber do acidente e soube ma mais triste noticia da sua vida. (O João tinha sido um dos acidentados na tarde anterior e estava no hospital da Amadora). Tentou ligar para o filho mas este tinha o telefone desligado e já vinha a caminho da casa dos pais.

 

     Porque a vida por vezes danos certas contrariedades e infelizmente muitas vezes para o pior, encontraram-se todos na rua às portas de suas casas. (Carlos que chegava entretanto, os pais deste que saiam de casa e os pais do João que já tinham sido informados pela policia e hospital do sucedido) D. Gertrudes com um tremendo desafora dando de caras com eles:

        - Seus assassinos! Foram vocês que mataram o meu querido filho. Vão pagar por tudo o que me fizeram! Vou-lhes tirar tudo. O que vocês me fizeram não se faz a uma mãe.

     Carlos e os pais meteram-se no carro sem respostas para dar e caminharam ao hospital, ficando aquela mulher que nem mesmo com uma desgraça daquelas, entendia que talvez ele fosse a causadora de tudo ao correr com o filho de casa só porque a sua tendência sexual não fazia parte dos seus padrões. E continuava a vociferar ferozmente já o carro dos Marques se desviava lá no fundo da rua.

 

Chegadas ao hospital

 

     Como o Dr. Eduardo França tinha estado de serviço nas urgência do hospital, foi o primeiro a saber da notícia tratando logo do filho e como pai, deu ordens para ninguém se aproximar do corpo já falecido até à chegada de sua mulher. “Quem não é da família não tem direitos sequer ao velório” declarou ele.

     Assim que ao Marques souberam da notícia de imediato fizeram questão de acompanhar o filho ao hospital dando-se o inicio da maior tragédia jamais pensada.

 

     Estavam todos proibidos de se chegarem junto ao corpo de João.

     Nem mesmo Os amigos advogados junto das autoridades conseguiram aproximarem-se do falecida na medida em que os pais tinham dado ordens de ser um velório privado e somente entre familiares.

 

     Fizeram a cremação do corpo e nem a divulgação do local das cinzas foram divulgadas.

 

     Seis meses depois Carlos só se lembrava das batalhas jurídicas que os pais do João tinham atentado para reaver os bens móveis existentes em casa de ambos mas perderam sempre na medida em que a casa de habitação do João e do Carlos estavam em nome dos pais deste.

 

Carlos já não podia olhar para aqueles olhos que muitas vezes substituíam as palavras.

 

 

Reordar o passado

 

              Naquele dia na esplanada da Marina de Cascais tudo lhe veio à mente, mas também os momentos bons que tinha passado durante anos com o seu amigo.

 

Cascais - Boda do Inferno - my love

     Foi com todas estas lembranças que Carlos, saiu do carro e se dirigiu a uma ponta de rocha onde começavam as escarpas até ao mar Carlos fechou os olhos. Ao ouvir as ondas batendo nas rochas suas lembranças foram até ao batimento de corpos na piscina de um hotel de Espanha onde lá estava o João no cimo do trampolim de braços abertos preparando-se para o seu primeiro salto acrobático para a água.

     Carlos a pouco e pouco foi-se lembrando que tinha sido naquele dia que tudo tinha começado entre eles. Naqueles escassos segundos percorreram em sua memória desde o primeiro afago no cadeirão daquela piscina, até às escondidas de todos e já depois do hipócritas se terem afastado pegou numa cravo e depositou-o na campa já abandonado do João.

     Abriu os braços como Cristo pedindo perdão ao mundo e tal como João naquele dia e naquela piscina se atirou num salto acrobático. A sua última imaginação foi aquela em que um dia segurando no seu amigo ao colo se atiraram para uma piscina.

O último salto

Lá no fundo não havia a água da piscina mas o mar bravio da Boca do Inferno e Nossa Senhora esperando por ele

 

Piata de William Blak- uma historia de amor
FIM
 

Toda a história em: (parte 1) (Parte 2)(Parte 3) (Parte 4)(Parte 5)(Parte 6)(Parte 7)

 

Qualquer semelhança com factos reais é mera coincidência. O geral ultrapassa a ficção.

As fotos aqui apresentadas são livres de copyright e retiradas da Net.

 

 

              Nelson Camacho D’Magoito

           “Contos ao sabor da imaginação”

                  de Nelson Camacho

    (Também em livro - é só pedrir por e-mail)

Estou com uma pica dos diabos:
música que estou a ouvir: my way
publicado por nelson camacho às 19:14
link do post | comentar | favorito
|
5 comentários:
De Fernando a 26 de Junho de 2013 às 09:55
Sendo um eterno romantico, um sonnhador com a mania de fazer belos castelos nas nuvens, confesso que não imaginava de todo um fim tão dramatico, no entanto fascinante...
Identifiquei-me com o João, não só obviamente pela orientação, pela amizade com o Carlos, oriundo de uma familia que frequentava a sua casa, em função da amizade entre os progenitores de ambos, mas principalmente pela atitude e pelas posturas perante a realdidade de ambas as mães, completamente opostas, tal como no seu conto...
O final também não foi feliz, de todo, á época não tive peito para enfrentar as consequencias como o João, e como cordeiro para o matadouro, deixei que me arrastassem para um altar e para um casamento logo á partida condenado ao fracasso.
Precisei de mais de dez anos, para ter coragem de viirar a mesa e enfrentar o mundo, ou como vulgarmente se apelida, sair do armario, só que foi demasiadamente tarde, para recuperar aquele, que hoje no auge dos meus 48 anos, admito ter sido o maior e unico amor da minha vida.
Para terminar, permita-me que o FELICITE VIVAMENTE pelo seu conto, mais uma vez, e lamento que ele não possa um dia estar no escaparte das livrarias, porque tal como eu, existem milhares de João e Carlos, vitimas de uma cega ignorancia dos proprios progennitores, e que acabam desse modo, fazendo os proprios filhos serem infelizes para o resto da vida...
Um GRANDE e Sentido Abraço
De nelson camacho a 26 de Junho de 2013 às 13:55
Fernando! Que bom foi ter recebido este seu comentário. Ter a coragem de se rever neste meu conto é a prova que é um homem de corpo inteiro. Pena é que não haja mais, mesmo que não se revejam, mas como você diz, este conto é a história de muitos Joãos e Pedros com que nos cruzamos anonimamente ao longo da vida. Eu sei pelos e-mails que recebo que eles lêem, mas pedem que não publique.
Quanto ao encontrar este e outros contos nos escaparates das livrarias é um pouco difícil pois normalmente as editoras querem que seja eu a pagar as edições, tal como se passa com os cantores. Hoje há muita gente com discos gravados mas é sempre às suas custas. No meu tempo éramos convidados e pagos a gravar como foi o meu caso, no meu tempo das cantigas.

Actualmente estou a montar um livro “Contos ao sabor da imaginação” com alguns contos mais comentados para os meus amigos. É um livro caseiro mas digno de qualquer livraria. Basta pedirem por e-mail.

Não é fácil escrever este tipo de contos que se baseiam sempre em histórias verdadeiras, creia que me dói muito.
Obrigado mais uma vez pelo seu caloroso comentário e como dizia Raul Solnado “Faça favor de ser feliz” Nelson Camacho
De Fernando a 27 de Junho de 2013 às 10:03
Caro Nelson

Desde já muito obrigado pelas suas palavras e pelos votos de felicidade com que termina a sua missiva.

E sem de forma alguma querer ter a pretensão de me incluir no seu naipe de amigos, creia que quando tiver o seu livro que apelida de "Livro Caseiro" que menciona ser destinado aos seus amigos, eu adorava poder adquirir um exemplar.

Grande Abraço
Fernando
De nelson camacho a 27 de Junho de 2013 às 14:22
Meu caro Fernando.
Certamente você já faz parte da minha roda de amigos, uns virtuais outros nem tanto. Quando o meu (livro Caseiro) quando estiver pronto, publicitarei o mesmo.
Retribuo o Grande Abraço e esteja atento pois vão sais mais contos. Nelson Camacho
De Fernando Jorge Cunha a 28 de Junho de 2013 às 08:59
Caro Nelson
Desde já um MUITO OBRIGADO por, de acordo com as suas palavras, me incluir na sua roda de amigos.
Ficarei então ansioso por essa publicação que apelida de caseira, mas certamente deveras apetitosa, tendo em conta o que tenho lido aqui no seu espaço até agora.
Grande Abraço
Fernando

Comentar post sem tretas

.No final quem sou?

.pesquisar

 

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Um amigo colorido

. Namorados

. A Intrusa

. Sábado chato para um amig...

. Um Recado

. As Borboletas

. Estou na prisão do tempo

. As minhas procuras no Nat...

. Pequenas coisas

. A história do Pátio do Ca...

.arquivos

. Setembro 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Janeiro 2009

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

.tags

. todas as tags

.favorito

. Sai do armário e mãe pede...

. Eurovisão

. Depois de "All-American B...

. Raptada por um sonho ...

. Crónica de um louco senti...

. Terminei o meu namoro!!‏

. Dois anjos sem asas...

. Parabéns FINALMENTE!!!!

. Guetos, porque não?

. “Porque razão é preciso t...

.A Tua visita conta

web counter free

.Sempre a horas para criticar

relojes web gratis

.Art. 13, n.º 2 da Constituição

Ninguém pode ser privilegiado, benificiado, prejudicado, privado de qualquer direito ou isento de qualquer dever em razão de ascendência, sexo, raça, língua, território de origem, religião, convicções políticas ou ideológicas, instrução, situação económica, condição social ou orientação sexual.
blogs SAPO

.subscrever feeds