Quarta-feira, 31 de Julho de 2013

Confissão de um Gay cota - IV Parte

o canto do nelson - Nelson Camacho

V Capitulo (ver III Parte)

 

O Reencontro

 

      Minha sogra tinha adoecido e como seria natural a Isabel naquela semana estava a trata-la em sua casa.

     Os meus pais estavam de féria no Algarve e eu sentia-me só abandonado. Uma boa parte dos dias dormia no sofá do sótão. Tinha como companhia as minhas músicas e filmes. Não me apetecia sair nem ir ter com os meus amigos ao que parecia aquelas confusões em casa fazia-me falta.

     Já estava nos quarenta e oito anos e repensava na vida que tinha levado até ali e chegava à conclusão que não tinha um amigo à serio, um amigo da minha idade com quem lamentasse as minhas agruras e duvidas do que era na realidade ou do que me sentia bem.

     Naquele sofá recordei como aquele sótão tinha sido mobilado e como tinha perdido a minha virgindade sexual.

     Depois da montagem do plasma que ainda existia comprado na Worten, veio-me à lembrança a figura do Jorge. Certamente como eu, não estava na mesma, tinham-se passado vinte e oito anos. Estaria na mesma loja? Teria casado como eu? Na altura, tinha feito a promessa de voltar à loja para comprar outros artigos o que fiz até ao meu casamento e chegamos a ter algumas relações. Depois deixei de o ver. Mudou de loja e eu procurei outros amigos mais novos. Talvez para manter psicologicamente a minha juventude. Era tudo muito bonito mas não passavam de meros objectos sexuais.

 

Kiss Boys - carinhos e ternuras entre homens

     Naquele dia resolvi ir à sua procura. Já não estava na mesma loja do grupo. A medo procurei pelo seu nome e informaram-me que se encontrava numa loja do Centro Comercial do Parque das Nações. Fui até lá.

     Lá estava ele! Como não podia deixar de ser, mais velho mas ainda com o charme de si próprio. Julgando que não me reconhecia dirigi-me a ele procurando por uma máquina de barbear. Ele reconheceu-me de imediato e fez um grande Olá. Trocamos uma conversa de circunstância, disse-me que entretanto tinha casado e como eram 20 horas, estava terminar o seu turno de trabalho e combinamos ir tomar um copo, mesmo ali no Centro.

 

     Tínhamos tanto a contar um ao outro que o copo prolongou-se ao jantar.

 

     Relembramos o nosso primeiro relacionamento, a razão porque tinha deixado de aparecer e a história dos nossos casamentos. Ele tinha uma filha e como eu tinha um filho até por graça, pensamos em juntarmos as famílias e fazer como nossos pais, juntar nossos filhos.

 

     A noite já despontava pelos janelões do restaurante quando atirei:

 

        - E se fossemos tomar um copo ao Trumps?

        - Mas é hábito ires lá?

        - Sim! É a forma de continuar com a mania que o tempo não passa e sentir-me jovem. Fazem lá uns shows de travestis. A malta é uma rapaziada séria e descomplexada e sem tiques.

         - Não me digas que mesmo casado, andas no engate’

         - Não é propriamente isso, mas quando acontece, acontece mesmo às vezes até organizo umas festas no meu sótão. Lembras-te?

         - Mas alguma vez me iria esquecer daquele espaço? E a tua família?

        - Não se metem! Normalmente aproveito quando a Isabel e o puto vão para casa dos meus sogros e os meus pais não se metem na minha vida, Aliás, como ficou combinado logo no princípio, estão proibidos de lá irem. Só lá entra a empregada para as limpezas e quando lhe dou a chave.

        - Mas agora tem uma porta?

        - Sim! Além da porta também tem outra decoração. Fiz uma casa de banho e tem uma cama redonda com uns projectores a incidirem obra ela ao mesmo tempo que vai rodando.

        - Isso já não é um sótão!

        - Não!.. É uma suite!.. Queres lá ir ver?

 

     Estava lançado o isco para reviver o passado.

 

     Não chagamos a ir ao Trumps. 

     O Jorge telefonou para casa informando que estava com uns colegas, pois um fazia anos e iria mais tarde.

     Cada um com o seu carro, lá fui para minha casa. Já passava da meia-noite.

     Jorge ficou vislumbrado com as alterações feitas naquele espaço.

     Despi a camisa e dirigi-me ao bar tomando dois copos que enchi de whisky. Quando me voltei, Jorge também tinha despido a camisa e estávamos os dois semi-nus, mostrando parte de nossos corpos.

 

        - Está muito bem de bíceps. Fazes ginásio?

        - Se não fosse assim com a minha idade já tinha uma barriguinha. E tu? Também não estás mal.

 

Kamasutra homo

      Palavras não eram ditas já nos encontrávamos beijando.

     Nossos corpos se juntaram rebeijando-nos sofregamente a nos atiramos para cama. Rebolámo-nos ao mesmo tempo que tirávamos os sapatos, as calças e slips ficando novamente como há alguns anos. Nus e nossas pirocas digladiando-se numa contenda sem fim há vista.

     Estávamos como dois jovens inexperientes procurando o prazer de nossas bocas. Durante longos minutos não passamos daquilo juntando carícias em nossas caras, umas vezes com as mãos, outras com as pontas de nossas línguas.

     Aquele corpo já cota como o meu não devia nada a outros corpos mais novos por onde o meu tinha passado tantas vezes.

     Aquele bíceps estavam a precisar de um carinho mais afectuoso e caminhando como um gato corpo abaixo do Jorge, fui mordiscando aqui a ali até à piroca que também mordisquei. Ambos ganíamos de prazer. Jorge não esteve com meia medidas e segurando em minha cabeça fez pressão para que aquele pito entrasse minha boca dentro. Durante algum tempo aquele macho gozou misturando os pequenos sulcos que a pouco e pouco iam brotando e se misturando com a minha saliva. Estava no ponto quando o retirei, subi novamente até ao bíceps e depois fui encontrar sua boca onde depositei minha língua ao mesmo tempo que num acto de ginástica acrobática encolhi meu corpo sentando-me na sua piroca já humedecida para uma penetração sem dor. Entrou todo dentro de mim e cavalguei como num corcel.

     Alguns momentos foram os suficientes para aquele macho expulsar toda a sua força de esperma dento de mim ao mesmo tempo que me acontecia o mesmo ao meu que estava a ser manuseado pelo Jorge indo depositar-se em seu corpo.

     Caímos para os lados como dois coelhos com risadas e carinhos e nos abraçamos como dois adolescentes.

 

     Passado algum tempo. Não sei quanto, nossos paus que se encontravam quase entrelaçados, comecei a sentir que ambos estavam-se espevitando e nossas bocas voltaram a encontrar-se. Nossas línguas manusearam-se e foi a vez de Pedro começar beijando meu corpo até meu pau que estava hirto ser beijado.

 

        - Queres ser tu agora?

 

Copula homo com beijo

     Não estive esperando nova pergunta. Novamente com uma certa habilidade, coloquei-me de conchinha e foi a minha vês de o penetrar ao mesmo tempo que o punhetava. Tal era a nossa vitalidades que num vai e vem rápido o meu esperma foi procura dentro dele algo para se depositar o que nunca encontraria e o dele se foi-se depositar naqueles lençóis de seda.

 

     Porra!.. Naquela altura, ficamos mesmo sem vontade de continuar. Tínhamos feito a nossa obrigação como fletes.

     Agora sim! Tinha acontecido o que esperávamos há tanto tempo mas tinha valido a pena pois tínhamos ganho experiência em todas as áreas das sexualidades e já não havia volta a dar. Não éramos mais dois jovens à procura de prazeres rápidos, mas dois homens já feitos que sabíamos o que queríamos e para onde ir.

 

     Adormecemos como Anjos na Paz do Senhor

 

VI Capitulo

A bronca

 

     Esta semana não correu lá muito bem!

     Estava nos meus 48 anos portanto a dois passos de entrar na casa dos cótas!

     Há uma semana que não via o padeiro. Resultado, andava aluado como uma gata com cio no mês de Janeiro, depois foi a bronca por a família descobrir que era Gay não se preocupando se o era na realidade ou se era heterossexual. Para eles a diferença não existia.

 

     A minha sogra tinha melhorado então a Isabel foi para casa mais sedo do que estava previsto! Resultado! Quando entrou em casa às onze da manhã, não me viu, procurou-me no quarto, também não estava e resolveu ir até ao sótão que por alma do diabo a porta estava aberta e entrou.

     Ia lhe dando um chilique pois deu comigo na cama com o Jorge. Não estávamos a fazer qualquer coisa mas estávamos a dormir de conchinha e muito agarradinhos.

Dormir depois de uma keke é bom

        - Então era por isto que não me andavas a ligar? – Gritou ela euforicamente.

 

     Apanhei um susto do caraças, pois nunca pensei que um dia uma situação destas viesse a acontecer. Jorge com aquele grito de desespero também acordou e instintivamente mandou para o lado a manta e estando à minha frente, mostrou toda a sua nudez.

     Foi o fim da macacada!..

     Isabel desceu as escadas e em correria desabrida saiu porta fora.

 

        - E agora? - Comentou o Jorge.

        - Agora?.. “É de aguentar e deitar fora” como dizia a minha avó. Vamos tomar um duche para refrescar as ideias, tu piscas-te enquanto eu vou apanhar o touro pelos cornos.

 

      E assim foi. Jorge foi-se embora não sem antes me dar o seu número de telefone e pedir-me para depois lhe telefonar.

      Isabel quando chegou chorosa a casa de meus sogros a primeira coisa que fez foi contar à mãe o que tinha acontecido.

      Senhora de “bons costumes” a primeira coisa que fez foi telefonar para a minha que estava no Algarve a contar o sucedido.

     Minha Mãe que é mulher de corpo inteiro e já andava desconfiada das minhas amizades com rapaziada nova e as festas que dava em casa além das minhas chegadas a casa às tantas da madrugada mas nunca tinha abordado o assunto.

      E ripostou que devia haver algum engano e certamente era um amigo que tinha lá ficado depois de uma noite de copos.

 

        - E estava os dois nus? - Replicava minha sogra toda danada – Desculpe lá mas dois homens na cama abraçados e nus, só podem ser paneleiros. Minha fila nunca mais volta a essa casa.

 

     A bronca estava dada. Minha mãe contou a meu pai, meteram-se a caminho de Lisboa para tentarem resolver o problema.

 

     O problema estava resolvido por si só.

     Quando eles chegaram contei-lhes toda a minha vida secreta desde os meus quinze anos.

     Meu pai ouviu e nada disse a não ser:

         - Vai ser uma porra pois certamente vamos acabar com a sociedade, pois aquela família se bem os conheço não vai aceitar a situação. E nunca mais te querem ver.

 

     Minha Mãe, pessoa sensata respondeu:

 

        - Parece que está mais preocupado com a sociedade do que com o nosso filho o nosso neto.

        - Oh mulher não é isso! O filho já tem idade para se desenrascar e seguir o caminho que lhe dá maior felicidade. Quanto ao neto. Logo se vê. Agora a firma onde somos sócios é que vai ser o diabo.

        - Olha!.. quanto há firma, tudo se resolve com dinheiro, compramos as cotas dele que são mais pequenas. Quanto ao neto nem que seja preciso resolvermos a situação em tribunal também se resolve. Agora a felicidade do nosso filho é que não podemos descurar. Ele é como é e quem disser que é Santo que atire a primeira pedra.

 

     Todo aquele diálogo estava a passar-se na minha frente mas como se eu não estivesse lá. Não estava envergonhado mas liberto daquele segredo que me atormentava a alma. Afinal de contas não é crime ter tendências sexuais diferentes da maioria.

 

     Passados alguns meses tudo se recompôs. Meu filho já é um homem sabe de toda a história, já tem a sua casa e a sua vida organizada. Nunca falamos do assunto, respeitamo-nos mutuamente e até é amigo do Jorge que também deixou a mulher e vive comigo na mesma casa de meus pais já velhotes mas com a maior respeitabilidade.

 

     A sociedade entre meus pais e meus sogros terminou com a compra das cotas deles pelos meus pais. Hoje sou eu o sócio minoritário. Eu e o Jorge divorciamo-nos e ambos com quarenta e oito anos de idade vivemos na paz do Senhor. Nunca mais tivemos necessidade de andar no engate pois completamo-nos.

FIM

Espero que tenha gostado e comente sem medos

 

 

            Nelson Camacho D'Magoito

         “Contos ao sabor da imaginação”

                 de Nelson Camacho

Estou com uma pica dos diabos: satisfeito por publicar
música que estou a ouvir: Melodrama
publicado por nelson camacho às 18:15
link do post | comentar | favorito
|
10 comentários:
De Fernando a 2 de Agosto de 2013 às 09:56
Nelson
Apesar de menos bem pelo motivo que sabe, como me espicaçou a curiosidade, acabei por vir ler o seu conto...e...bem...julgo que neste nosso mundo, acabamos todos por ter situações em comum, muito em comum mesmo, para além da orientação sexual.
Por isso só lhe posso dizer que ADOREI e só me ocorre o FELICITAR VIVAMENTE.
Grande Abraço e Bom Fim de Semana
Nando

PS. Não sei se é do momento, mas este é a segunda vez que um conto seu me arranca uma lagrimita matreira...coisas dos 48 anos, só ppode...eheheh
De nelson camacho a 3 de Agosto de 2013 às 16:17
Meu caro Fernando! Que bom…. Que bom… é tê-lo já não só como meu leitor atento e agora como amigo (virtual – por enquanto) no Facebook onde me descobriu. A forma de trocarmos impressões mais particulares.
Com que então uma “lagrimita”! Eu já deitei não “lagrimitas” mas lágrimas mesmo! É a vida!.. Mas tenha calma pois segundo Ele dizia “Quando se fecha uma porta há sempre uma janela que se abre”. È neste conceito que procure que os meus contos acabem sempre como nos filmes “A rapariga casa com o cavalo” Um abraço e bom fim-de-semana. Porque não faz como eu e não vai à “pesca”? Nelson Camacho (O Caçador)
De Fernando a 5 de Agosto de 2013 às 10:01
Olá Nelson,
conseguiu fazer-me rir...acredite!
Efectivamente não sou nada de pescar, ou ir á pesca, o que limita tudo...sou mais do exactamente contrario!
Abraço e Boa Semana Semana
Nando
De nelson camacho a 5 de Agosto de 2013 às 19:01
Olá Fernando. Então não é de pescarias? Eu gosto mais de pescar é que já passou o tempo em que era pescado. Agora se não sou eu a pescar, Tou feito! Não como nada. è que assim se o peixe não me interessa deito-o ao mar. Um Robalozinho é sempre bem vindo (são manias). Espero que o seu Fim de semana tenha sido bom com pesca ou sem pesca. A propósito ! Já se esqueceu da última pescaria? Um abraço NC
De Fernando a 6 de Agosto de 2013 às 07:18
Pois Caro Nelson...eu sou timido demais para pescar, acho eu, depois no quebrar do gelo, já sou danadinho...
E depois como sou um gajo de relações tão longas quanto possivel, torna-se mais complicada a pesca, porque nem todo o robalo quer situações estaveis e duradouras....lol...
Nop não esqueci a ultima pescaria, aliás, julgo que será a pescaria que levarei mais tempo a esquecer em 48 anos de vida...Estou literalmente lixado
Abraço GRANDE
De nelson camacho a 6 de Agosto de 2013 às 18:05
Eu também sou tímido mas quando se trata de pescaria transformo-me em "O Caçador" e lá vai ele de cana em punho (mas escondida! Claro ) ah... ah...ah...
De Raul Moreira a 12 de Outubro de 2014 às 14:28
Ainda bem que se libertou desse casamento e que é feliz com a sua tendência sexual !!!!!
De nelson camacho a 13 de Outubro de 2014 às 05:01
Olá amigo Raul Moreira obrigado por me ler e espero que tenha lido este conto desde a primeira parte e pois ao ler somente esta parte final pode ter ficado com uma leitura errada. Todos os meus contos têm a salvaguarda de:
Qualquer semelhança com factos reais é mera coincidência, ou não! O geral ultrapassa a ficção
Um abraço
De Raul Moreira a 14 de Outubro de 2014 às 05:26
Li praticamente tudo !!!!! Adoro o sue blog!!!! Saudações cordiais.
De nelson camacho a 15 de Outubro de 2014 às 00:54
Obrigado por me ler. A escrita deste tipo merece muita concentração e disponibilidade por isso os vossos comentários são como para o cantor as salvas de palmas. Obrigado. NC

Comentar post sem tretas

.No final quem sou?

.pesquisar

 

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Um amigo colorido

. Namorados

. A Intrusa

. Sábado chato para um amig...

. Um Recado

. As Borboletas

. Estou na prisão do tempo

. As minhas procuras no Nat...

. Pequenas coisas

. A história do Pátio do Ca...

.arquivos

. Setembro 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Janeiro 2009

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

.tags

. todas as tags

.favorito

. Sai do armário e mãe pede...

. Eurovisão

. Depois de "All-American B...

. Raptada por um sonho ...

. Crónica de um louco senti...

. Terminei o meu namoro!!‏

. Dois anjos sem asas...

. Parabéns FINALMENTE!!!!

. Guetos, porque não?

. “Porque razão é preciso t...

.A Tua visita conta

web counter free

.Sempre a horas para criticar

relojes web gratis

.Art. 13, n.º 2 da Constituição

Ninguém pode ser privilegiado, benificiado, prejudicado, privado de qualquer direito ou isento de qualquer dever em razão de ascendência, sexo, raça, língua, território de origem, religião, convicções políticas ou ideológicas, instrução, situação económica, condição social ou orientação sexual.
blogs SAPO

.subscrever feeds