Quinta-feira, 28 de Novembro de 2013

O vizinho do 1º andar – I Parte

Mudanças em o canto do nelson

Conto longo para finalizar o ano de 2013

I Capítulo

Este conto é quase ou dava uma telenovela. Prepare-se para várias histórias de vida

 

     Os Almeidas andavam em mudança para o 2º andar 19 da rua da Emenda no Bairro Alto. Derivado ao novo sistema de mobilidade na função publica o Francisco Almeida como funcionário publico tinha sido obrigado a vir do Alentejo para Lisboa e a mulher, D. Helena Almeida na qualidade de professora para acompanhar a família através de amigos tinha arranjado um lugar numa escola privada assim mudara-se para Lisboa com o seu filho Carlos que estava desempregado.

     Como a situação económica nos próximos tempos não era das melhorar tanto procuraram uma casa o mais económica possível até que arranjaram aquela no Bairro Alto. Não seria o melhor local pois no prédio ao lado existia uma discoteca que certamente durante a noite não seria o lugar mais sossegado mas foi o melhor que arranjaram.

     No dia da mudança ficaram mais satisfeitos pois encontraram-se com os vizinhos do 1.º andar que feitas as apresentações eram um casal de velhotes que viviam com um neto.


     Os Almeidas habituados à vida no Alentejo em que todos são vizinhos e amigos sempre prontos a socorrer qualquer situação menos usual logo ali ficaram de conversa com os moradores do primeiro andar que de imediato se prontificaram em ajuda-los de algo necessário ao mesmo tempo que os informaram que o bairro era bastante calmo.

Uma noite no Bairro Alto com Nelson Camacho

 

        - E o Bar aqui ao lado não incomoda durante a noite? – Perguntou D. Helena.

        -Não!.. Por acaso até o meu neto trabalha lá e nunca ouve qualquer problema. – Respondeu a velhota.

        - E trabalha em quê – Perguntou o Carlos

        - É barman. Não é profissão que goste muito. Já está no nono ano de escolaridade e espero que siga outra vida. Esta coisa de trabalhar de noite não é muito do nosso agrado. Até veio morar para cá para ficar mais perto do emprego pois os pais moram em Almada. Como a escola também é em Lisboa sempre lhe dá mais jeito.

 

     Com aquela pequena conversa de escada os Almeidas ficaram logo a saber quase a vida toda os vizinhos. Eram os únicos no prédio pois no r/c era um escritório de contabilidade, portanto com pouco movimento e à noite estava fechado.

        - Olha! Era um bom emprego para ti se lá conseguisses entrar já que é a tua área e poupavas nos transportes e seria como trabalhar em casa. – Respondeu o pai enquanto descansava, pois andava escada a cima escada a baixo com alguns caixotes ajudando os homens da transportadora.

 

4 Horas depois

 

     Tinham acabado a mudança já se tinham que acender as luzes pois a noite já tinha chegado quando D. Susana Santos, (a velhota) como boa samaritana e vizinha lhes apareceu com um taxo com um frango asado no forno. A acompanha-la, vinha o neto João Santos com uma travessa de batatas fritas e uma garrafa de vinho.

 

        - Desculpem mas como sei o que é isto de mudanças e certamente ainda não vão ter condições para fazerem uma refeição condigna não sei se gostam mas o meu neto alvitrou trazer-lhes um “frango à maricas” que fiz propositadamente. Não sei se gostam mas é de boa vontade e com o desejo de boas vindas ao bairro. O meu neto trouxe o vinho branco mas se gostarem mais de tinto, é o que não falta lá em casa é bom vinho.

 

     Não havia dúvidas que tinham escolhido o bairro que em princípio quase tudo se assemelhava à sua terra alentejana de onde vinham. Boa vizinhança e cuscas quanto baste.

     Os Almeidas agradeceram as ofertas, principalmente o Carlos quando o vizinho lhe ofereceu um cartão de livre-trânsito para quando quisesse ir tomar um copo ao bar onde trabalhava.

 

Oito dias depois

 

     Depois daquela barafunda toda que é normal a quando de mudança de casa faltavam pendurar o espelho da casa de banho e alguns quadros para tal, faltava também um berbequim. Como os vizinhos do 1.º andar até à data se tenham mostrado bastante receptivos em determinadas ajudas a D. Helena lembrou-se de pedir ao marido para descer e pedir-lhes se tinham tal ferramenta e o Francisco lá foi.

 

         - Bom dia vizinha vinha mais uma vez incomoda-los.

         - Mas não incomoda nada… O que pretende? A casinha já deve estar pronta!

         - Sim efectivamente! Faltam pendurar uns quadros e o espelho da casa de banho e só agora é que me lembrei não ter um berbequim e vinha perguntar de tinha um que me emprestasse!

         - Essa coisa de ferramentas para bricolage é do plôro dos homens e o meu marido não está mas o meu neto está na hora de se levantar e assim que o fizer peço-lhe que o leve lá acima pois não sei onde estão essas coisas. Eu só sei de tachos e panelas.

    

     Francisco agradeceu e subiu para sua casa.

     Não tardou uma hora quando o João bateu à porta.

 

     Como se tinha levantado momentos antes vinha de calções e t-shirt de alças com uma caixa de ferramentas e o tal berbequim em punho. Quem foi abrir a porta foi o Carlos que olhando mais atentamente para o vizinho reparou ser um tipo musculado e com uma aparência diferente de como o tinha visto até àquele momento. Mirou-o durante alguns segundos e atirou:

 

        - É sempre bom ter um vizinho pronto para toda a obra!

        - Nem calculas do que sou capaz. Mas já lá vão oito dias que aqui moras e ainda não me deste o prazer de me visitar no bar!

        - Desculpa mas esta coisa da mudança e procura de trabalho tem-me ocupado todo o tempo e também queria lá ir com o meu pai e ele ainda não esteve disposto a isso.

 

      Entretanto o João foi entrando e recebido com todas as atenções pelo casal. Pai e filho que se dispunham a fazer as obras foram de imediato anuladas as suas intenções pois o vizinho e dono da ferramenta de imediato se prontificou a ser ele a fazer o trabalho. Depois de saber onde pendurar o que era para pendurar de imediato fez o trabalho.

      Nos entretantos voltou à conversa do Carlos andar à procura de trabalho e de saber qual era a sua área profissional.

 

     Os trabalhos ficaram prontos quando apareceu D. Helena que satisfeita com as pequenas obras e como finalmente já tinha a sua casinha pronta, para reconhecimento de todas as gentilezas recebidas por aquela família, convidou-os através do jovem vizinho para um jantar de inauguração.

     Assim ficou combinado.

 

O Jantar dos novos vizinhos

 

jantar de vizinhos

         - Então qual é a tua área de trabalho? – perguntou João a Carlos.

         - Tirei o curso de contabilidade. Mas como está a crise e embora toda a gente tente fugir aos impostos e isso só é possível com contabilistas não há tanto trabalho como devia haver.

         - Pois! Lá no bar quem nos faz esse trabalho é um escritório que por acaso é aqui no r/chão. Conheço muito bem a filha do dono e posso dar-lhe um toque. Que achas?

         - Mas isso era porreiro! O meu filho também tem o curso de informática mas nem numa nem em outra área consegue emprego. – disse o pai Francisco ao mesmo tempo que ia servindo mais um copo de vinho Reserva de Reguengos que acompanhava a refeição que já estava no seu términos.

 

     A avó Susana metendo-se na conversa atirou:

          - Estou crente que o meu neto se pedir à namorada, ela é capas de arranjar-lhe emprego no escritório. Já ouvi dizer que eles estão cheios de trabalho e com falta de pessoal.

 

     D. Helena enquanto se levantava para ir à cozinha não perdeu a oportunidade e no caminho olhando para trás:

 

          - O Menino até a pode convidar a sua namorada para um jantar cá em casa.

 

          - Ó mulher!.. Tu não perdes uma oportunidade! Então o rapaz vai convidar a namorada para vir jantar cá em casa?

          - Então que tem isso? Não somos todos vizinhos?

          - Mas tu julgas que ainda estás no Alentejo em que passam a vida em casa uns dos outros?

 

     D. Helena já não ouvido o reparo do marido pois já tinha desaparecido no corredor direita à cozinha.

 

          - Afinal és um sortudo! Trabalhas aqui ao lado e namoras com uma miúda do r/chão. – comentou Carlos.

 

          - É verdade! Estas coisas acontecem. Ela começou a ir lá ao bar tomar um copo e quando o meu patrão soube quem ela era quando chegou o fim do ano passado fez um contrato com o pai dela para fazer a nossa contabilidade e sou eu muitas vezes que sou o transmissor dos problemas. Daí até começarmos um namoro foi um passo.

- Tá visto que esse bar é um apelo aos convívios! E ela é uma namorada colorida como se diz cá na cidade?

- É mais ou menos…

- Tá visto que tenho mesmo de lá ir. Pode ser que também tenha sorte.

- Se ainda não foste é porque não quiseste, ou já perdeste o livre-trânsito que te ofereci?

- Não, não perdi. Queria, era ir com o meu pai e ele ainda não se predispôs.

- Desculpa lá Puto, mas sem ofensa precisas de dama de companhia?

- Essa de dama de companhia caiu mal. – (atirou o pai Almeida com um sorriso aberto). É que também gosto de curtir uma de abanar a cabeça e às vezes acompanho o meu filho nas noitadas. Não sou ainda nenhum cóta e lá no Alentejo é normal os pais e filhos juntarem-se nuns copos.

 

      Entretanto entrava D. Helena com um bolo de chocolate e gila, especialidade lá da terra.

 

      Aquele jantar de vizinhos foi proveitoso para todos. Cuscaram um pouco a vida uns dos outros e acabou com um café e uma garrafa de aguardente velha.

(Siga para II Parte)

 

As fotos aqui apresentadas são livres de copyright e retiradas da Net.

Qualquer semelhança com factos reais é mera coincidência, ou não! O geral ultrapassa a ficção

 

        Nelson Camacho D’Magoito

   “Contos ao sabor da imaginação”

            © Nelson Camacho
2013 (ao abrigo do código do direito de autor)

Estou com uma pica dos diabos:
publicado por nelson camacho às 20:50
link do post | comentar | favorito
|

.No final quem sou?

.pesquisar

 

.Outubro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. A busca de ser importante...

. Palavras de Hitler

. Um dia, num lar de idosos...

. Eu era homofóbico

. A prostituição mora no Pa...

. Um amigo colorido

. Namorados

. A Intrusa

. Sábado chato para um amig...

. Um Recado

.arquivos

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Janeiro 2009

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

.tags

. todas as tags

.favorito

. Sai do armário e mãe pede...

. Eurovisão

. Depois de "All-American B...

. Raptada por um sonho ...

. Crónica de um louco senti...

. Terminei o meu namoro!!‏

. Dois anjos sem asas...

. Parabéns FINALMENTE!!!!

. Guetos, porque não?

. “Porque razão é preciso t...

.A Tua visita conta

web counter free

.Sempre a horas para criticar

relojes web gratis

.Art. 13, n.º 2 da Constituição

Ninguém pode ser privilegiado, benificiado, prejudicado, privado de qualquer direito ou isento de qualquer dever em razão de ascendência, sexo, raça, língua, território de origem, religião, convicções políticas ou ideológicas, instrução, situação económica, condição social ou orientação sexual.
blogs SAPO

.subscrever feeds