Quinta-feira, 28 de Novembro de 2013

O vizinho do 1º andar – III Parte

 

Rlogio de pé no canto do nelson

IV Capítulo

(ver II Parte)

 

Afinal o que se tinha passado naquela noite e o que tinha visto a Josefa?

O grande segredo

 

     Tinham chegado todos bem a casa. Foi mostrada a quem não a conhecia e os quartos distribuídos. Ainda fizeram uns petiscos. Até que o relógio do Salão bateu a meia-noite e cada um foi para os quartos já estipulados.

 

     O quarto destinado ao Carlos foi a suite do João (filho do dono da casa) pois os chamados de hóspedes já tinham sido distribuídos pelos outros visitantes e não havia outro disponível.

 

     Era um quarto tipo suite, grande com wc e chuveiro independente mas só tinha uma cama embora grande.

 

    O Albuquerque quando indicou a suite do filho ao Carlos pediu desculpa por ser aquele mas como eram dois rapazes não há haveria problemas.

 

        - Não tem importância!.. Não lhe vou comer o filho… - Brincou o Carlos.

 

     Os três deram uma gargalhada e o dono da casa saiu e fechou a porta.

 

         - Ó pá! Desculpa lá mas não consigo deitar-me, sem tomar um duche.

 

nelson camacho no duche

 

     Disse o João ao mesmo tempo que se ia despindo ficando todo nu e encaminhando-se para o duche fechando a porta que era de vidro translúcido vendo-se as suas formas físicas as quais o Carlos ficou admirando com o corpo do amigo.

     Através do vidro reparou ter um corpo bastante delineado bíceps salientes e braços musculados, Certamente resultados de ginásio contrariamente ao seu que era normal sem grandes saliências musculares devido a ter vindo do Alentejo de onde não tinha tido quaisquer desporto que lhe transformasse o corpo.

 

     Acabado o duche João saiu com uma toalha em volta da cintura e encaminhou-se para a cama. À borda dela deixou cair a toalha e ficando completamente nu meteu-se na cama.

 

     Carlos, talvez para não ficar mal visto que já estava somente de shorts dirigiu-se ao duche e também se foi banha. Quando saiu trazia também uma toalha a envolvê-lo mas dirigiu-se à sua mala e tirou uns calções de noite que vestiu e se meteu na cama.

 

     Aquela noite para o Carlos estava a ser um martírio. Nunca tinha dormido com um gajo e o corpo do amigo não lhe saia da cabeça. Aquele corpo delineado pelas formas perfeitas o os bíceps em escada o rabo saliente e aquele membro embora flácido dava a ideia de ser na seu estado de alerta um pouco maior que o seu. Não sabia bem porquê mas o seu cada vez que se movimentava na cama roçava sua cabecita nos calções e ia-se levantando. O amigo dormia virado com as costas para ele que num movimento a dormir ou talvez não, movimentou-se mais um pouco e retirou os lençóis de cima de si, ficando com as costas e o cu a descoberto.

 

     Agora sim! Seu pénis deu um salto com aquela imagem e a sua cabecita luzidia e toda escarapulada apareceu de fora pela braguilha dos calções. Ficou aflito. Mas que é isto? Pensava! Queria agarra-se àquele corpo mas a sua mente dizia-lhe que era um disparate o que lhe estava a acontecer. Até parecia aquele anúncio dos dois diabinhos no ombro, um dizendo sim e o outro dizendo não.

 


     Deu voltas e mais voltas na cama umas vezes tentando encostar-se àquele corpo que chamava por si e outras vezes afastando-se cada vez mais, até que acendeu um cigarro para acalmar.

Boy fumando na cama

 

     Tentou meter o pirilau novamente no seu lugar, mas ele não queria. Insistia ficar de fora e já se ia babando. Aquilo era demais e pior ainda quando o corpo do amigo se movimentou e se encostou mais a ele.

     Porra! Agora era mesmo demais. O calor daquele corpo que sem saber porquê lhe transmitia mais calor e desejo de o agarrar, levantou-se no momentos em que o amigo com outro movimento mais brusco os lençóis afastaram-se na totalidade ficando todo descoberto e de papo para o ar  com a verga gigante e toda de pé como pau de bandeira.

     Agora era mesmo demais. Das duas uma ou se atirava para aquele pau fazendo da sua mão a bandeira que faltava naquele pau ou pirava-se dali para fora. Optou pela segunda hipótese, e saiu do quarto direito à cozinha para beber um copo de água gelado.

 

     Quando saiu do quarto e porque a casa não era sua não encontrou o interruptor e lá foi às apalpadelas escada a baixo direito à cozinha de onde se vislumbrava uma ténue luz que certamente viria pela janela que condizia com a churrasqueira.

 

     Junto à ombreira da porta procurou o interruptor mas não encontrou mas lá no fundo no meio da penumbra e recortados pela luz que vinha do exterior viu dois corpos que se entrelaçavam como dois fantasmas.

 

Dois ctas gay no escuro da cozinha - O Canto do Nelson

     Abriu bem os olhos. Ainda os esfregou comforça....

 

     Não queria acreditar no que se lhe deparava em sua frente.

     Se tivesse ali um buraco cairia dentro dele desamparado.

     Aqueles corpos desnudos que se envolviam em beijos ardentes nem deram pela entrada daquele estranho. Naquela cena de amor ardente continuaram como nada se passasse.

     Não!.. Não eram fantasmas. Era seu pai e o seu patrão que se estavam envolvendo como nada mais existisse em seu redor.

 

     Como não havia nenhum buraco onde se meter e até ali não tinha feito qualquer barulho saiu de mansinho tal como entrou. O pau que até ali se encontrava levantado à espera do tal copo de água ou da porta do frigorífico para acalmar, nada disso foi possível, murchou completamente.

 

     O interior da casa continuava escura como breu e às apalpadelas lá voltou escada a cima direito ao quarto. Tremia como varas verdes com aquela descoberta. Olhou para a cama onde ainda estava João como Deus o deitou ao mundo recortado por um raio de luz que entrava pela janela e de rabo para cima.

 

     Tremeu ainda mais e meteu-se no duche. Sentou-se no chão e os seus neurónios começaram a fervilhar com as descobertas daquela noite.

 

     Primeiro o desejo de se agarrar ao João logo quando este horas antes se tinha plantado todo nu na sua frente, depois quando sentiu o calor do seu corpo junto ao seu na cama onde tentou dormir sem resultados e finalmente quando encontrou o pai e o seu patrão envolvidos numa cena de amor.

     

     O que se estava a passar naquela família?

 

     O seu desejo incontrolável pelo corpo do amigo, coisa que jamais pensaria desejar e depois o impensável ao descobrir que seu pai era gay. Seria genético? E o Albuquerque seu patrão, homem digno da sua forma de ser homem, envolvido naquele acto!...

     Naqueles seus pensamentos veio-lhe à mente o seu pai pessoa que jamais o julgaria também numa envolvência de homossexualidade. Seria por isso que ele gostava de sair à noite com ele para beber copos em bares de malta nova?

     Quando ele saia só em algumas noites, onde iria? O que iria fazer? E sua mãe nunca tinha descoberto as suas tendências? Ou era um terrível segredo que guardava só para si?

 

     O que se estava a passar na realidade? Sem se levantar elevou o braço até à torneira a abriu-a saindo um caudal de água fria sobre si mesmo o que deu azo a um pequeno grito que o fez levantar-se ocasionando um certo barulho que fez com que o João acorda-se, acendesse a luz e se deparasse com aquela cena às tantas da noite o amigo a tomar duche.

 

        - Ó pá! O que se passa contigo? Estavas com calor? Ou é hábito tomar banho durante a noite?

 

     Carlos perante a situação não sabia o que dizer e saiu todo encharcado ainda com aos calções de noite vestidos pingando por todos os lados e diga-se de passagem numa figura bastante caricata.

 

         - Pelo menos tira os calções e enrola-te numa toalha. – Disse o João perante tal figura. – Porque não te vens deitar? Estás mal disposto?

 

     Carlos limpou-se e foi deitar-se junto ao amigo mas soluçando.

 

     João notando que algo de estranho se estava a passar com o amigo, chegou-se a ele colocou-o de conchinha e abraçou-o afagando-o com algum carinho segredando-lhe ao ouvido – Que se está a passar contigo?

 

     Carlos deixou de soluçar e perante tal aconchego fez mais pressão com as suas costas na frente do amigo ficando o pau deste roçando a entrada do seu ânus.

 

     Ambos se começaram a movimentar até uma das mãos do João desceu até ao pénis do amigo começando lentamente a manuseá-lo e ambos os pirilaus se começaram a transformar em paus rijos e hirtos.

 

     Mais uns movimentos, acompanhados por mordidelas num dos lóbulos do Carlos de tal forma que a porta de entrada para o pirilau do João se foi abrindo e a pouco e pouco muito lentamente a cabecita entrou como a pedir licença.

 

     Carlos movimentou-se fazendo pressão para que o resto daquele pirilau que já era um mangalho começasse a entrar. A partir daquele momento todos os movimentos foram mais rápidos. Um penetrava o outro em movimentos de vai e vem constantes ao mesmo tempo que punhetava o outro que se deixava ir na onda do que estava a acontecer até ambos se virem abundantemente e passarem ao descanso do guerreiro.

boys dormindo no descansso do guerreiro

     O que se tinha passado naquela noite e naquela casa seria O Grande segredo não fora o desplante da Josefa em vez de bater à porta dos rapazes abri-la escancaradamente e dar com aquele espectáculo.

 

     Durante aquele fim-de-semana ouve olhares indiscretos entre os homens. A Josefa esteve mais agarrada ao Pedro fazendo promessas de amor as mulheres lá se entretiveram nos afazeres domésticos. As duas noites seguintes ficam para a vossa imaginação assim como o resto da história que aqui não tenho espaço para contar o resto e também isto não é uma telenovela.

 

FIM

 

Para o meu último conto deste ano espero que tenham gostado e comentem sem medos. Por exemplo e se descobrissem que o vosso pai ou filho eram gays. E se fosse mulher o que fariam se descobrissem que o vosso marido ou namorado era gay?

 

BOAS FESTAS E UM MELHOR ANO DE 2014 QUE SE AVIZINHA

 Deixo para vocês Frank Sinatra em "Have Yourself a Merry Little Christmas

 

 

As fotos aqui apresentadas são livres de copyright e retiradas da Net.

Qualquer semelhança com factos reais é mera coincidência, ou não! O geral ultrapassa a ficção

 

       Nelson Camacho D’Magoito

    “Contos ao sabor da imaginação”

             © Nelson Camacho
2013 (ao abrigo do código do direito de autor)

Estou com uma pica dos diabos:
publicado por nelson camacho às 23:48
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De Fernando a 30 de Novembro de 2013 às 18:19
Olá Nelson
O frango á maricas e cujo termo não escutava á mais de vinte anos, deu-me uma saudade tremenda de alguem muito querido que já partiu...

No que respeita ao conto, que posso eu dizer, para além de aplaudir vivamente?

Acho que fechas o ano de 2013, muito bem, com mais um trabalho de ficção, ou talvez nem por isso, de cinco estrelas...

Abração
De nelson camacho a 2 de Dezembro de 2013 às 13:46
Meu amigo há determinados termos que utilizo nos meus contos que nada mais são que termos utilizados por familiares meus “O Frango à maricas” nada mais era que um petisco que minha avó a mais tarde minha mãe faziam nas festas que se davam em minha casa e levava limão no cú do coitado do frango e uma pedrinhas de sal. É também o frango que faço para os meus amigos fazendo aos mais velhos que me lêem recordar certo passado e foi o teu caso.
Obrigado por seres mais um dos meus leitores atento.

Comentar post sem tretas

.No final quem sou?

.pesquisar

 

.Fevereiro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

.posts recentes

. Namorados

. A Intrusa

. Sábado chato para um amig...

. Um Recado

. As Borboletas

. Estou na prisão do tempo

. As minhas procuras no Nat...

. Pequenas coisas

. A história do Pátio do Ca...

. Finalmente libertei-me.

.arquivos

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Janeiro 2009

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

.tags

. todas as tags

.favorito

. Sai do armário e mãe pede...

. Eurovisão

. Depois de "All-American B...

. Raptada por um sonho ...

. Crónica de um louco senti...

. Terminei o meu namoro!!‏

. Dois anjos sem asas...

. Parabéns FINALMENTE!!!!

. Guetos, porque não?

. “Porque razão é preciso t...

.A Tua visita conta

web counter free

.Sempre a horas para criticar

relojes web gratis

.Art. 13, n.º 2 da Constituição

Ninguém pode ser privilegiado, benificiado, prejudicado, privado de qualquer direito ou isento de qualquer dever em razão de ascendência, sexo, raça, língua, território de origem, religião, convicções políticas ou ideológicas, instrução, situação económica, condição social ou orientação sexual.
blogs SAPO

.subscrever feeds