Domingo, 24 de Setembro de 2017

A prostituição mora no Parque Eduardo VII

A Pprostituição mora no Parque Eduardo VII

Já tinha escrito que o Sábado estava chato e não encontrava amigas nem amigos para alegrar a alma, então meti-me no carro e lá fui sem destino marcado direito a Lisboa. Junto ao Bairro Alto ou na entrada de Alfama não encontrei lugar para arrumar o carro e quando dei por mim já ere meia-noite e estava no topo do Parque Eduardo VII junto ao Corte Inglês. Como eles têm parque privativo entrei. Dei uma volta e comprei um DVD “ A procura da Terra de Nunca” e um CD do meu amigo Paco Bandeira – que ainda não tinha. Não comprei mais nada porque a vida não está para gastos.

Sai e mesmo no topo do já dito parei para fumar um cigarro.

Tinha a janela aberta por causa do fumo quando senti que alguém se aproximava. Era um jovem que me pedia um cigarro. Dei-lho e enquanto acendia o mesmo me perguntava se não queria dar uma volta ao qual respondi:

- Epá está enganado…

- Desculpe! Mas neste sitio a esta hora, pensava que vinha ao engate – eu faço tudo! (Respondeu ele e eu retorqui).

- Lamento mas não estou nessa.

O rapazito lá se foi embora – não tinha mais de 15 anos-.

Então coloquei no rádio o CD do Paco Bandeira e acendi mais um cigarro e ouvi uma voz feminina que dizia.

- Eu gosto é da ternura dos quarenta” 

Olhei e lá estava uma Maria qualquer de cabelos louros e olhos cintilantes e depois continuou tal como o rapazito anterior.

- Queres dar uma volta? São só vinte euros.

- Só para dar uma volta? – Respondi.

 - Também podemos ir até uma pensão ou a tua casa!?!

- Nem uma coisa nem outra mas se quiseres ir comer alguma coisa, eu vou.

A suposta Maria deu a volta ao carro, abriu a porta e sentou-se, tal como já nos conhecêssemos há muito tempo.

- Deves ser um gajo porreiro para me convidares para comer algo. Não queres cama?

- Isso é uma situação que logo se vê. – Respondi olhando bem para ela.

Ela começa a retocar a maquilhagem e comente:

- Desculpa mas não quero ir contigo a qualquer restaurante sem estar arranjada. Já conheço todas as matrículas e nunca te vi por aqui. Não me digas que é a primeira vez!?. Já qui ando há pelo menos há cinco anos. Passo neste local todas as semanas exceto às segundas que é o dia dedicado aos meus filhos e marido que está de folga.

- Então tenes filho e um marido?    

- Sim! Mas eles não sabem.

Entretanto fui olhando para calçada e lá andavam num frenesim no sobe desce rapazes e raparigas procurando vender sexo, então resolvi arrancar o carro para um restaurante ainda aberto junto ao Coliseu dos Recreios.

- Deve ser uma vida dura andares por aqui e sem a família saber.

- Sim é duro mas as contas têm que ser pagas e o meu marido é segurança e ganha o ordenado mínimo nacional e os filhos que são dois também andam na escola. São os livros e o vestir.

Já no restaurante.

Mal entrei com a moça logo um empregado comentou:

- Olá Nelson! Há muito tempo que não te víamos por cá! Andaste em digressão?

- Não, estive no hospital cinco meses.

- E o que tiveste para tanto tempo?

- Tive um problema do coração e estive em coma alguns dias, depois foi a recuperação.

- Não me digas que foi mais uma cena de amores? Nunca ais tens juízo

- É verdade amigo. Nunca mais tenho juízo.

- Estou a ver, estou a ver – Dirigindo-se à moça.

Como é meu hábito puxei uma cadeira para a moça se sentar.

Ela retorqui-o:

- És muito simpático. Nunca me fizeram isto. Afinal quem és? Para seres conhecido aqui?

- Sou um cliente de há muitos anos e um exe cantor

- Não me digas! Tenho tido clientes de várias profissões, engenheiros, doutores e até políticos mas nunca tinha tido um cantor.

- Pois! E tu como te chamas?

- Isabel Nogueira, para ti e Isabelinha para os outros desta vida.

- Ok Isabel. Agora conta-me a tua vida.

- Para muitas mulheres, e é o meu caso, a rua é o fim da linha: destino de quem viveu tempos dourados nas boîtes mas dos quais sobram apenas as marcas difíceis de disfarçar com camadas de base e rímel que disfarçamos.

- Não me digas que já foste stripper.

- Em bares já fiz de tudo mas na rua ganha-se muito mais

- E quanto é esse mais?

- Anda há volta de dois mil e quinhentos euros mensais.

- Porra!.. Isso quase é o ordenado de um deputado.

- Não é bem assim pois tenho alguns deputados como clientes e eles até até pagam bem.

- No final de contas quanto é que tu levas? Para uma noite de sexo?

- Tenho uma tabela para várias situações

- E em que situação eu me encontro?

- Os preços não variam muito: uma relação normal na pensão custa 50 euros – mais o valor do quarto, pago pelo cliente –, no carro, 30 euros, sexo oral, 20 euros, mas o teu caso é diferente.

- Diferente, porquê?

- Diferente porque me inspiras confiança e tens uns olhos azuis lindos como eu gosto e lembra-me o meu primeiro homem, mas não penses que te quero para chulo que é coisa que nunca tive nem quero ter.

- Ainda bem porque na minha vida de cantor já tive muitas que queriam-se aproveitar de mim mas nunca fui nessa, embora não me lembre de pagar para tr sexo.

- Então porque foste ao Parque?

- Passei um sábado chato e vim até Lisboa sem destino e acabei por parar onde me viste.

- Pois estás com sorte pois vi dares uma nega a um maricas e vi logo que não eras desses.

. No final sendo tu uma mulher casada e com filhos o que te levou a esta situação?

- As primeiras noites na rua não são fáceis. Fazer sexo por amor é uma coisa, por dinheiro é outra bem diferente. Mas depois de entrar, o difícil é sair, e as contas têm que ser pagas. Numa noite como esta, um sábado, o trabalho pode prolongar-se até às seis da manhã, altura em que tenho de voltar para casa. Ganhar dinheiro pode tornar-se um vício como outro qualquer, semelhante às drogas ou ao álcool. Se for trabalhar noutra profissão qualquer, vou ganhar quanto?

- E é só pelo dinheiro?

- Não! Também venho cá pelas histórias que oiço sendo por vezes um ombro amigo para alguns

- Queres ouvir a minha histeria?

 - Deve ser muito interessante tomando em conta a conversa que tiveste à entrada com o emprenhado.

Já tínhamos acabado a refeição e estávamos no café e pago com cartão.

A Isabel olhou bem para mim e comentou:

- Quer dizer que andas sem dinheiro!?!

- Normalmente ando sempre somente com uns trocos.

- Quer dizer que não andavas de fato ao engate!?!

- Efetivamente já o disse que andava sem destino certo, mas se quiseres ir até minha casa, tudo se pode arranjar.

- E quem te disse que iria aceitar?

Levantámo-nos coloquei um braço por cima do ombro dela como dois namorados e seguimos para o carro e ela só perguntou:

- Moras longe?

- Moro no Magoito, mesmo em frente ao mar.

Entramos no carro e seguimos com uma conversa de circunstância verificando que a Isabel era uma pessoa letrada e que a vida a tinha levado aquele destino.

Entramos em casa, bebemos mais um café e um whisky. Ela pediu para tomar um banho. Dei-lhe um toalhão e indiquei-lhe o banheiro. Minutos depois apareceu-me com o dito toalhão enrolado ao corpo como menina pudica como já fosse dona da casa dirigiu-se a mim, deu-me um beijo nos lábios e comentou:

- Agora não te demores! – e de seguido caminhou para o quarto.

Eu estava pasmado com tudo o que me estava a acontecer naquela noite, Fui tomar um duche e o reto está-se mesmo a ver.

Foi uma noite como há muito não tinha até que adormeci.

Quando acordei a Isabel não estava a meu lado e assustei-me, estava meio levantado quando ele apareceu com uma bandeja com o pequeno-almoço.

Se tinha ficado assustado quando acordei, fiquei pasmado com o que estava a acontecer. Olhei para o relógio, eram seis horas.

- Desculpa mas tens que me levar a casa. O meu marido chega por volta das sete. Temos de repetir esta noite.

Contra factos não há argumentos. Eu ia passar a ser o outro e só me iria custar um jantar ou outro.

 

Qualquer semelhança com factos reais é mera coincidência, ou não! O geral ultrapassa a ficção

              Nelson Camacho D’Magoito

               “Histórias de vida” (310)

               Para maiores de 18 anos

                   © Nelson Camacho
2017 (ao abrigo do código do direito de autor)

 

Estou com uma pica dos diabos:
música que estou a ouvir: A Ternura dos Quarenta
publicado por nelson camacho às 17:52
link do post | comentar | favorito
|

.No final quem sou?

.pesquisar

 

.Outubro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. A busca de ser importante...

. Palavras de Hitler

. Um dia, num lar de idosos...

. Eu era homofóbico

. A prostituição mora no Pa...

. Um amigo colorido

. Namorados

. A Intrusa

. Sábado chato para um amig...

. Um Recado

.arquivos

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Janeiro 2009

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

.tags

. todas as tags

.favorito

. Sai do armário e mãe pede...

. Eurovisão

. Depois de "All-American B...

. Raptada por um sonho ...

. Crónica de um louco senti...

. Terminei o meu namoro!!‏

. Dois anjos sem asas...

. Parabéns FINALMENTE!!!!

. Guetos, porque não?

. “Porque razão é preciso t...

.A Tua visita conta

web counter free

.Sempre a horas para criticar

relojes web gratis

.Art. 13, n.º 2 da Constituição

Ninguém pode ser privilegiado, benificiado, prejudicado, privado de qualquer direito ou isento de qualquer dever em razão de ascendência, sexo, raça, língua, território de origem, religião, convicções políticas ou ideológicas, instrução, situação económica, condição social ou orientação sexual.
blogs SAPO

.subscrever feeds