Quinta-feira, 29 de Janeiro de 2015

Até quando homofóbico – I Parte

Homofóbico? Até quando?

 

Naquele dia de chuva e temporal embora tanto na rádio como na televisão houvesse aviso permanente para se possível não se sair de casa derivado ao frio e temporal que tinha assolado todo o pais, deu-me na mona – normalmente não faço nada o que me aconselham – Resolvi vestir-me o mais agasalhado possível meter-me no carro e depois de ligar o aquecimento fui até às arribas cá da praia.

 

Depois de lá chegar fui com o carro até ao local mais alto para ver a ondulação que bastante perigosa e a chuva que não parava de cair. O espectáculo era algo soberbo. Fechei todas as janelas e por ali fiquei também ouvindo um pouco de música, Não fora o vento forte que fazia abanar o carro, estaria por ali mais tempo mas não. Resolvi acoitar-me na esplanada que sendo fechada e com aquecimento central sempre estaria melhor.

Assim que cheguei fui cumprimentado por todos os empregados e principalmente pelo meu amigo “intimo“ Carlos. Como já tenho contado por aqui, o Carlos, para além de ser empregado daquele espaço e porque um dia aconteceu criarmos uma amizade mais intima, somos mesmo amigos, não damos nas vistas do nosso afér e muitas vezes faz da minha a sua casa. Não temos nenhum contracto de fidelidade e somos felizes assim. Cada um dá si sexualmente o que quer ou o que pode.

 

- És mesmo maluco, com este temporal saíste de casa – comentou o Carlos -.

- Tinha saudades tuas e vim ver se estavas de serviço. - menti.

- Infelizmente, tive de vir trabalhar. És um tretas do caraças. E os telemóveis servem para quê? Se tivesses tantas saudades tinhas telefonado. Andas mas é há procura de passarinho novo. Quem não te conheça não te leva preso. Hoje não te safas, ficou tudo em casa. Mas perdoou-te pela mentirinha. Vou buscar-te o café.

 

Depois daquele comentário, Pedro afastou-se e lá foi buscar o café não sem antes quando se afastou com o rabo dar uma sacudidela na cadeira onde estava sentado, e saiu a rir.

 

Eu estava sentado mesmo encostado aos janelões por onde entrava alguns raios de sol e se via o ondular do mar e suas altas ondas. Nem me apercebi que ao meu lado se tinham sentado duas raparigas e um rapaz. Abriram o computador portátil e lá estavam entretidos com algo que os faziam rir.

Entretanto chegou o Pedro com o café e um pastel de nata… como era hábito e comentou baixinho:

 

- Com este não te safas. O gajo tem a mania que come as miúdas todas e é um homofóbico dos caraças… até mete raiva.

- É teu amigo? Já o tentaste?

- És parvo?.. Eu só vou contigo mas conheço o gajo de um bar em Sintra.

 

Com aquela dica, não só fiquei em alerta mas com mais atenção sobre o moço.

 

Segundo vim a saber mais tarde o tal moço, era estudante, tinha dezanove anos, vivia em Sintra, era filho de gente rica preconceituosa e chamava-se Luís. A sua aparência era de facto de mais um menino bem, de olhos azuis, cabelo alourado, bem tratado e um pouco comprido indo o seu términos cair sobre a gola de um casacão preto. Mirei-o mais quanto podia e notei que as calças eram de fazenda e os sapatos, contrariamente ao que a malta usa, não eram ténis mas sim sapatos de pelica.

 

A certa altura continuando os três em galhofa pegada frente ao computador e encontrando-se ele virado para mim e olhando-me nos olhos peguei o pastel de nata e ao contrário de toda a gente, que o mastiga, meti a língua no seu recheio fixando-o ainda mais. Ele pestanejou. Fixou-me mais atentamente e de repente desviou o olhar como comprometido e eu continuei com a língua dentro do pastel de nata.

 

Estava dado o primeiro passo para o que viria a seguir.

Lá de longe, o Carlos ao mesmo tempo que ia servindo os poucos clientes que havia, não tirava os olhos de mim adivinhando o que iria acontecer e de vez em quando abanava a cabeça como quem me queria dizer que não iria ter sorte alguma mas ele enganava-se pois eu adora um homofóbico jovem. É que normalmente eles não o são, têm é uma situação de sexualidade mal resolvida.

Depois do meu linguajar no pastel de nata e do desvio apressado do olhar do Luís, fiquei mais atento à conversa que aquelas almas iam tendo que lhes faziam tanto riso, até que constatei que eles estavam a ver um sitio porno. É que uma delas comentava:

 

- Epá… Já viste que o gajo aguenta-se com duas?

- Gostava de experimentar um gajo assim com tanta tesão… – dizia a outra…

- Olha agora chegou outro gajo para ajudar à festa.

- Epá… O gajo não veio ajudar o outro, veio chupar o pirilau do amigo.

- Porra…. Desliguem lá essa marda. Afinal de contas isso é um vídeo de lésbicas e paneleiros – Comentou o Luís ao mesmo tempo que fechava o computador.

- É mesmo homofóbico! – Comentou uma delas.

- Nada disso!... Cada um leva naquilo que é seu. Desde que não sobre para mim.

- Tu tens é inveja. Já estivemos os três na cama e não deste conta do recado.

- Mas vocês as duas gozaram…

- Sim… Mas não tiveste tesão para as duas.

 

Aquela conversa que embora em tom audível me chegasse aos ouvidos bastante fraco, não deixei de constatar que elas se tinham governado as duas como lésbicas e o gajo como homofóbico não tinha chegado para as duas. Levantei-me e fui à casa de banho. Já tinha feito o meu xixi da ordem e estava a lavar as mãos quando o Luís entrou, então armei-me em descarado e estando ele a meu lado também a lavar as mãos comentei:

 

- Epá!.. Estás muito bem acompanhado, mas sem querer ouvi as vossas conversas e vi que és um sortudo dos caraças e já foste com as duas para a cama. Elas são lésbicas?

- Parece que sim!... Uma delas não me deixou come-la.

- Não foi isso que ouvi!... Uma delas disse que não aguentas-te com as duas.

- Se calhar você também não se aguentada se estivesse na cama com elas a verem um filme pornográfico entre homens.

- E qual é o mal? A predilecção das lésbicas é foderem entre elas ao mesmo tempo que estão a ver dois homens também a foderem-se.

- E não acha que isso é anti natura?

- Anti natura? Porquê? Não estão a gozar?

- Desculpe!.. Você é mais velho, mas não me dá lições de mural.

- Epá desculpa… Estar a meter-me contigo. Não quero ofender ninguém, dar lições de mural ou ter ouvido a vossa conversa, mas talvez por ser mais velho te possa explicar melhor o que são relações sexuais entre pares. Desculpa mais uma vez.

 

Luís nem respondeu, limpou as mãos a uns toalhetes e pirou-se apressadamente.

Quando sai dos lavabos, passava o Carlos que comentou baixinho:

 

- Tá visto que já engatas-te este!....

 

Voltei para a minha mesa e como o sol estava cada vez mais baixo começava a incidir sobre os meus olhos de forma que deixei de ver o triunvirato mas comecei a ouvir uma certa discussão. Não era bem uma discussão alterada mas talvez uma troca de impressões mais assanhada até que uma das raparigas se levantou e disse para o Luís.

 

- Pois se queres ficar fica que nós vamo-nos embora. – e saíram apressadamente ficando o Luís ali especado e sozinho.

 

Foi a minha oportunidade de voltar a meter conversa.

 

- Elas iam mesmo danadas e deixaram-no apeado!...

- Não!.. Não fiquei apeado porque elas vieram num carro e eu vim no meu.

 

Na altura em que estávamos naquele pequeno diálogo chegou o Carlos e dirigindo-se-me.

 

- Já acabei o meu turno. Posso tomar um café com vocês? Ao que parece já se conhecem?

- Não!... Estava simplesmente a comentar que este amigo ficou apeado – disse eu.

- Para o Luís já é normal ficar apeado com estas gajas. Ele em vez de arranjar umas gajas normais, anda sempre com lésbicas e quando se zangam, piram-se.

- Quer dizer que já conheces este nosso amigo.

- Sim!... é o Luís e já no encontrámos por ai nos karaokes. Então o melhor é apresentarem-se. Este é o Luís e este é o Nelson.

 

Foi assim que fiquei a saber o nome do tal tipo e que gostava das cantorias. Aproveitei a oportunidade para meter uma conversa mais a sério, pegando na chávena e indo-me sentar na mesa do tal Luís onde o Carlos também se sentou.

 

Foi uma conversa interessante começando por lhe perguntar se efectivamente cantava e qual o tipo de canções nunca divulgando que também eu andava ou tinha andado nas cantigas mas quando o tipo disse que gostava das canções do Tony de Matos, mas como era um cantor antigo só tinha um CD dele, o Carlos atalhou logo que estava com sorte pois eu tinha todos os seus CDs e discos de vinil.

 

- Quer dizer que já és um amigo antigo aqui do Nelson – Comentou o Luís.

- Não só sou somos amigos antigos como conheço muito bem a casa dele e sei que tem uma discoteca que mete inveja a muita gente.

- Epá… Também não é bem assim… Embora tenha entre CDs e vinis antigos para ai um milhar.

- E porque tem tanta musica?..   –perguntou o Luís.

- Aqui o meu amigo Nelson fez rádio, teatro e é cantor.

- Deve ter muitas histórias para contar. Sempre me seduzi pelas vidas dos cantores e actores.

- É uma profissão muito ingrata, trabalhosa e onde se tem muitas invejas, mas também não é bem o que se diz na comunicação social. – atalhei eu.

- Gostava de ouvir algumas histórias.

- Mas isso é simples!.. - comentou o Carlos – Arranjamos um petisco e vamos para casa dele… - e virando-se para mim – Até podemos ir hoje. Só volto ao serviço amanhã às dez horas… Podemos?

 

Afinal de contas quem estava deserto de fazer aquele encontro a três, era o Carlos. Afinal, já tínhamos prometido um ao outro quando se proporcionasse fazermos um Menage-à-trois, e talvez fosse aquela a ocasião e logo concordei com a ideia.

 

Como todos tínhamos carro e não valia a pena ir cada um no seu, alvitrei irmos no meu e os outros ficariam por ali.

Pelo caminho o Luís alvitrou passarmos pela churrascaria para comprar um frango e o Carlos compraria o vinho e assim foi. Eu daria o café os conhaques e o resto logo se via.

 

A primeira coisa a fazermos quando chegámos, foi o Carlos que já estava habituado à casa, dizer que iria tomar um duche pois estava todo suado do trabalho. O Luís foi mirando muito atentamente as minhas fotografias expostas nas paredes das escadas e outras espalhadas pelo salão e em cima do piano. Parou em frente a uma porta onde tem um cartaz que diz “Non trespass” e comentou:

 

- Aqui há segredos?

 

Na mesma altura que fazia a pergunta, saiu de lá o Carlos que tinha desaparecido entre tanto, de robe branco vestido.

 

Aquela não era a resposta para o Luís mas ficou com uma cara estranha e de admiração e foi a minha vez de satisfazer o seu desejo.

 

- Não ligues… O Carlos é como se estivesse em sua casa. Normalmente quando aqui vem é assim. Gosta de ir tomar uma duchada e por traz daquela porta é a nossa sala de desenho.

- Sala de desenho?

- Sim!.. É o meu quarto.

 

O coitado do Luís, nem sabia o que mais lhe dava vontade de perguntar e encaminhei-o para a cozinha onde comecei a prepara a mesa para o nosso frango.

 

Naquela noite iria haver dois frangos, um propriamente dito e o outro seria o Luís. Mas ele nem adivinhava onde se tinha metido.

A mesa já estava posta e uns copos bebidos quando o Carlos entrou:

 

- Então já temos frango?

 

Entretanto já eu me tinha despido e vestido uma t-shirt de alças e uns curtos calções dizendo ao Luís que também se podia por à vontade. É claro que a única coisa que ele fez foi tirar a t-shirt ficando com o tronco nu. Mas que tronco, porra. Agora via-se mesmo toda a sua beleza. Aqueles olhos azuis e brilhantes e os cabelos alourados descaídos sobre as costas queimadas ainda pelo sol do verão passado e os bíceps bem delineados e mamilos salientes, dava a entender ser menino de ginásio. O Carlos olhou-o bem e comentou para mim:

 

- Afinal o frango está comestível.

- Cá para mim também deve saber bem. - comentei

 

Luís não se apercebeu do nosso diálogo entre linhas ou estava a fazer-se de parvo.

O frango propriamente dito ainda estava quente, as batatas pala-pala não estavam muito salgadas e o vinho estava fresquinho. Duas garrafas foram bebidas rapidamente. A conversa como seria normal numa ocasião destas foi o mais normal possível. Luís não deixava de querer saber como era a vida artística, inclusive, chegou a querer saber se entre alguns pares, para conseguirem determinados favores não havia homossexualidade. É óbvio que tentei não me debruçar sobre o assunto comentando somente que esse facto não existia somente nessa profissão. Existem gays em todas as profissões tal como existem lésbicas e não deixam de erem homens ou mulheres pelo facto de se entenderem sexualmente uns com os outros.

Estava eu nessas explicações quando o Carlos perguntou-lhe:

 

- Mas qual é o teu problema? Tens alguma coisa contra a homossexualidade?

- Não é que seja contra, mas não entendo.

- Mas ao que sei, vais para a cama com lésbicas.

- O que elas fazem entre elas é com elas mas sempre são mulheres.

- Epá… retorqui eu – quer dizer que sexo entre mulheres é uma coisa, mas entre homens já é outra?

- Desculpa lá mas os homens fizeram-se para procriar.

- E quem te disse que os gays também não procriam? Sabes que há homens que se movimentam sexualmente entre os dois géneros?

- Podes ter razão mas não entendo

- Isso não será um pouco de homofobia?

 

Carlos que já há muito se entendia sexualmente comigo, saltou-lhe a tampa:

 

- Luís… Houve lá uma coisa!... Tu gostas de chuchu?

- Dizem que é um fruto que substitui as batatas mas nunca provei. Creio que não gosto, batatas são batata.

- Se nunca provaste como é que dizes não gostar?

 

 Carlos mais descarado que eu, enquanto fazia a pergunta e porque estava a seu lado colocou uma das mãos na sua perna e aguardou o resultado ao mesmo tempo que me piscava os olhos.

Luís não teve qualquer reacção e como tal, foi a vez de me meter na conversa e alvitrar irmos tomar café. Levantámo-nos depois da concordância e fomos até ao salão pedindo ao Carlos que tirasse os cafés enquanto eu me dirigi ao piano começando a tocar “De homem para Homem” um fado de Tony de Matos, alterando um pouco a letra.

Luís depois de receber um copo com um conhaque servido pelo Carlos veio até mim e debruçando-se sobre o piano ficou olhando-me

 

Carlos também de copo na mão foi direito a mim ficando por traz, beijou-me na nuca e deu-me a beber um sorvo do conhaque que tinha na mão.

 

Luís olhou-nos fixamente com ar de admiração mês nem tugi-o nem mugi-o e Carlos atalhou:

 

- Este é um fado de dor de corno entre dois homens por causa de uma mulher, mas também podia ser entre dois homens por causa de outro homem. Vez a diferença?

 

Aquela cena, se não fosse real, podia ter sido de uma de qualquer telenovela.

Pelos meus dedos, pressionando algumas teclas, umas brancas, outras pretas, os martelos foram batendo nas cordas do piano de cauda de onde iam saindo melodias que o Tony de Matos tão bem interpretava, fazendo assim o gosto ao Luís que talvez sonhasse ser aquele cantor que tanto admirava.

O Carlos não deixava de me abraçar mordiscando os meus lóbulos enquanto o Luís com aquele ar de menino confuso e já com uns copos bem bebidos a certa altura pediu:

 

- Parece que já estou com os copos, Vou encostar-me no sofá. Posso?

 

Carlos atento… respondeu:

 

- Porque não te vais deitar um pouco ali dentro? – Apontando para a porta onde dizia “Non trespass”. – ao mesmo tempo que me apertava mais os ombros e me segredava – è a tua vez. Eu vou para o sofá e já lá vou ter.

 Luís pela primeira vez sentiu-se mais à vontade e trespassou a tal porta. De imediato porque assim é sempre, começou a tocar uma melodia em piano “Elvira Madigan” de Mozart ao mesmo tempo que alguns projectores de luz fraca se acenderam dirigidos à cama. Foi quando ele viu que afinal a “sala de desenho” nada mais era que um quarto de paredes negras e no tecto sobre a cama, em vez de candeeiro ou projectores havia um espelho. Tal como estava, deitou-se, curtindo a pequena bebedeira e o seu corpo reflectido no tal espelho. Aquele ambiente e de novidade para o primeiro a entrar ali, fê-lo sonhar não se sabe o quê.

Quando a porta se fechou perguntei ao Carlos porque não tinha ido com ele.

 

- Epá… O tipo tem demostrado não saber o que quer e tu é que és o exespert para estas coisas, ou já te esqueceste como me convenceste da primeira vez?

- Não tens gostado?

- Prometeste um dia que havíamos de ir para a cama a três. Hoje vais pagar a promessa.

- Vamos ver o que consigo fazer.

- Cá para mim não vai ter grandes dificuldades, o gajo é giro e tu sabes a toda e também estás deserto de comer o puto. Eu fico por aqui mais um tempo.

- Sim… Mas não te enfrasques.

- Não… Vou ligar o vídeo e ver um filme porno.

- Podes ver o filme mas não te masturbes. Depois de entrar dá-me pelo menos meia hora.

 

Entretanto fui arrumar a loiça, beber mais um copo para fazer tempo.

 

Despi a t-shirt, mudei de calções para umas boxers e entrei no quarto uma hora depois.

-------------------------------------

Se tem mais de 18 anos. Para ver o que aconteceu a seguir clique (Aqui)

 

Qualquer semelhança com factos reais é mera coincidência, ou não! O geral ultrapassa a ficção

                  Nelson Camacho D’Magoito

             “Contos ao sabor da imaginação” (cn-259)

                        Para maiores de 18 anos

                           © Nelson Camacho
          2015 (ao abrigo do código do direito de autor)

Estou com uma pica dos diabos:
música que estou a ouvir: De homem pra homem
publicado por nelson camacho às 19:52
link do post | comentar | favorito
|

.No final quem sou?

.pesquisar

 

.Fevereiro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

.posts recentes

. Namorados

. A Intrusa

. Sábado chato para um amig...

. Um Recado

. As Borboletas

. Estou na prisão do tempo

. As minhas procuras no Nat...

. Pequenas coisas

. A história do Pátio do Ca...

. Finalmente libertei-me.

.arquivos

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Janeiro 2009

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

.tags

. todas as tags

.favorito

. Sai do armário e mãe pede...

. Eurovisão

. Depois de "All-American B...

. Raptada por um sonho ...

. Crónica de um louco senti...

. Terminei o meu namoro!!‏

. Dois anjos sem asas...

. Parabéns FINALMENTE!!!!

. Guetos, porque não?

. “Porque razão é preciso t...

.A Tua visita conta

web counter free

.Sempre a horas para criticar

relojes web gratis

.Art. 13, n.º 2 da Constituição

Ninguém pode ser privilegiado, benificiado, prejudicado, privado de qualquer direito ou isento de qualquer dever em razão de ascendência, sexo, raça, língua, território de origem, religião, convicções políticas ou ideológicas, instrução, situação económica, condição social ou orientação sexual.
blogs SAPO

.subscrever feeds