Quarta-feira, 9 de Abril de 2014

Garoto de programa

garotos de programa

Como começou a minha profissão de prostituto

 

     A minha ocupação – ou profissão se quiseres - é por tradição, uma das mais antigas do mundo. Designa-se no entanto, numa versão moderna e sofisticada do que se conhece como prostituto – ou garoto de programa -. Tal significa entre outras coisas um homem muito caro e com óptimos conhecimentos.

     Desfrutei das vantagens de uma educação esmerada num liceu religioso e depois fui estudar para a Suíça.

     Os meus verdadeiros interesses na Suíça resumiam-se a melhor o meu francês e praticar ski. Descobri mais tarde que consegui utilizar estes conhecimentos da melhor maneira possível.

     Infelizmente o meu pai não soube gerir os seus negócios de forma mais conveniente e disse-me que havia necessidade de me empregar a fim de lhe tirar das costas o peso de me sustentar.

     Partia do princípio que seria uma situação temporária, na medida pressupostamente eu não demoraria a casar com uma menina rica, contudo até essa altura era necessário que fizesse qualquer coisa na vida.

     Meu pai conseguiu arranjar-me um emprego que achei bastante fantástico, câmara-men do quadro de produção de uma televisão.

     Foi assim que me vi em Paris, a viver num pequeno apartamento, e desempenhar o lugar de câmara-men, com dezanove anos e em certa medida inexperiente sexualmente.

     Emprego a termo “em certa medida”, porque não atribuo importância às minhas experiências homossexuais nem ao tipo de relação que me uniu a um nojento instrutor de ski que tive na Suíça.

 

     Comecei a aperceber-me logo de inicio que o meu primeiro e único patrão, queria algo mais de mim do que trabalho. Na altura tratava-o por Mr. Jean Pierre, embora na nossa intimidade não demorasse muito a ir mais longe.

     Era amigo de meu pai e entre outras actividades desempenhava o lugar de administrador da do canal para onde eu trabalhava. Olhou-me apreciativamente mal me viu. Tinha consciência de que atraia as atenções masculinas, - já tinha acontecido lá na Suiça - pois era um rapaz bem-apessoado, de olhos azuis e cabelo louro um pouco para o comprido. Embora não tivesse tiques afeminados tinha um sorriso aberto para outros rapazes – sem saber bem o porque – Alguns homens também me miravam com um certo ar de inveja.  

 

     Mr, Jean Pierre iniciou a campanha que se propusera chamando-me ao escritório no segundo dia e perguntando-me se estava interessado em ser seu secretária pessoal. Um sentimento de honestidade levou-me a confessar que a dactilografia e estenografia não eram o meu forte.

 

        - É muito fácil arranjar empregadas que saibam escrever à máquina e estenografar, mas eu prefiro um rapaz como tu Mário, não tem problemas de faltas com doenças e ou tratar dos filhos – disse-me com ar grave – Por outro lado achava-o ideal para o tipo de relações públicas necessária para com os seus clientes. É esse o tipo de trabalho a que estava destinado.

        Conhecer pessoas como Mr. Jean Pierre e os seus clientes durante toda a minha vida e agradar-me-ia realmente ir a restaurantes de luxo na companhia deles de e além de com a minha presença ajudar a firmar negócios importantes tornar-me um membro importante da estação…  Senti-me muito lisonjeado com a oferta. A verdade é que tinha somente dezanove anos e que nunca ninguém me atribuiria importância a nível profissional. Imaginem como às vezes uma pessoa pode ser ingénua!

 

     Comecei por conseguinte a levar roupa de marca para o escritório e a tratar o meu patrão por Pierre.

     Agradava-me trabalhar com ele. Era um homem encantador mas com uma personalidade forte; se bem que devesse rondar os cinquenta anos tinha um dinamismo surpreendente o olhava-o como pouco mais velho do que eu.

     Como já tinha a carta de condução por vezes era eu que conduzia não na forma de chauffeur pois nunca lhe abri a porta ou se sentou no banco de trás,

     É claro que nessa altura me olhava como efectivamente seu secretário. Tratava-lhe da sua agenda de contactos e substituía-o em determinadas ocasiões. Em retrospectiva acho que foi um dos mais habilidosos sedutores que encontrei na minha vida,  talvez pela sua idade.

 

     A tempestade desabou um dia no meu apartamento. Já não necessitava de um motivo para me ir visitar; Limitava-se a aparecer quando lhe apetecia com a desculpa de agendarmos sessões de trabalho com clientes.

 

        - Diga-me Mário, gosta realmente de trabalhar comigo? Perguntou sorvendo um pouco de whisky - de uma garrafa que a atrasado tinha levado - que lhe servira.

        - Nunca lhe fiz esta pergunta antes, mas gosta mesmo?

        - Adoro trabalhar para si Pierre - respondi.

 

     Nesse momento tive a certeza que me iria beijar. Nunca o fizera antes ou demonstrar vontade de o fazer, mas tinha a certeza que não me importaria.

     Inclinei-me um pouco sobre ele no sofá colocando inadvertidamente a mão numa perna. Pousou o copo e atraiu-me a si.

Nunca me tinham beijado antes como ele o fez. Introduziu a língua nos meus lábios que se abriram para o receber; abracei-o e entretanto senti que me estava desapertar os botões da camisa. Foi uma sensação estranha mas agradável ao sentir aquelas mãos beliscando-me os seios.  

     Nesse instante fiz uma descoberta surpreendente, era um rapaz viril que me estava a dar a um homem sexualmente como esse acto fosse o mais importante da vida. Não sei como o soube; sei que o soube.


     Não era capaz de o dizer na altura mas a verdade é que me apetecia ser fodido, e foder adequadamente – e não como o fizera aquele repulsivo instrutor de Ski na Suíça. Sabia que desta vez estava nas mãos de um homem sexualmente experiente, e que me dava um gozo enorme.

a primeira vez como prostituto

      Desapertou-me a camisa e massajou-me agora delicadamente com movimentos circulares os mamilos que pareceram ficar rijos e hirtos.

      Estava muito excitado e com a consciência de que descobrira a minha vocação. Fora para isto que nascera; à medida que uma mão do Pierre me acariciava os mamilos a outra começava a despertar-me o cinto e abrir o fecho-ecler deixando à mostra o meu sexo que começou a manusear. Depois começou por beijar meus lábios passando aos bíceps até encontrar o meu pénis que começou mordiscando a cabeça. Senti um prazer enorme como jamais tinha sentido.

     Os dedos foram avançando e delicadamente foi-me retirando as cuecas e depois as calças ficando completamente nu da cintura para baixo. Foi a vez de ser eu primeiro a retirar a minha camisa e depois a dele e então encostamos nossos corpos e nos beijamos ardentemente.

      Baixou-se novamente até encontrar novamente o meu pénis que começou a sorver ao mesmo tempo que delicadamente com um dedo foi até ao meu ânus que começou a massajar a entrada até lentamente penetrar. 

     Não consegui resistir por mais tempo e estendi a mão até lhe tocar no pénis que apertei e comecei a punha talo. - era enorme devido à excitação em que se encontrava -.

     Continuávamos deitados no sofá e sentia o pénis rijo do Pierre no meu estômago. Queria acima de tudo sentir-lhe a virilidade sem roupas a cobri-lo; queria continuar a apalpá-lo bem dentro da mão.

 

        - Ajuda-me, Pierre. Ajuda-me, por favor – sussurrei-lhe ao ouvido ao mesmo tempo que lhe começava a desapertar o cinto – Oh, Pierre! Pierre!

 

     Levantou-se e puxou as calças e cuecas para baixo até aos joelhos.

     De inicio achei que pareceria ridículo, mas não aconteceu. À minha frente via apenas o pénis enorme com uma pequena gota de sémen na cabeça volumosa.

     Sem o fazer pensadamente comecei a lamber-lhe lentamente todo o pénis até que finalmente os meus lábios lhe roçaram a cabeça. Peguei-lhe novamente no sexo com a mão Em seguida abrindo a boca o mais que me era possível, meti-o na boca.

     Soltou um leve gemido e ficou mais erecto. Era eu o mandatário absoluto da situação. Sabia pela rigidez do pénis que estava prestes a vir-se e decidi ver até que ponto conseguia prolongar a espera.

Percorri-lhe o pénis lentamente com os lábios e vi que estremecia de cada vez que se sentia prestes a vir-se.

     De súbito não consegui controla-lo por mais tempo. As mãos do Pierre enterraram-se-me com força no corpo; o pénis quase me chegou à garanta e fiquei com a boca cheia de esperma.

     Restava-me a alternativa de o engolir; se bem que estivesse a fazer como primeira experiência não me senti repugnado. Queria que ficasse totalmente seco, que me desse tudo.

     Invadiu-me uma sensação de domínio até aí desconhecido. Tinha comigo um homem da idade do meu pai com que podia fazer o que me apetecesse - contudo sabia perfeitamente que esse poder duraria meramente enquanto ele me desejasse sexualmente, Era, no entanto, a primeira vez que experimentava o poder que as mulheres têm sobre os homens na cama, assemelhava-se a um sentimento de vitória.

     Também sabia que não era Pierre a proporcionar-me tal sensação, mas o sexo em si e sabia que o mesmo e passaria com outros homens.

     Talvez tudo se tivesse passado de forma diferente se nessa altura eu tivesse mais experiência e não me sentisse totalmente passivo e em face à liberdade que ele me estava a dar

     Ajudei Pierre a despir-se completamente. Sentou-se a meu lado no sofá e começou a percorrer-me o corpo com as mãos, desde a ligeira curva formada pala barriga até aos seios firmes.

     Pus-lhe a mão no pénis. Estava a meia haste, contudo, depois o manipular um pouco ficou rijo e erecto como anteriormente.

     Os nossos corpos escorregaram suavemente do sofá até ficarmos deitados no macio alcatifa em frente da lareira. Deixei que me afastasse as pernas e em seguida dobrei-as a fim de lhe proporcionar o caminho directo ao meu cú que já tinha sido manuseado e lubrificado por ele e delicadamente começou a penetrando-me.

 

     Guinchei com uma pequena dor derivado ao tamanho daquele pénis saboroso. O membro foi-se acomodando dentro de mim e descobri que conseguia contrair os músculos do recto sentindo ainda mais a sua virilidade e o percurso dos seus espermatozóides. . Foi nesse momento que Pierre sussurrou ao meu ouvido algo que estava à muito esperando:

 

        - Não queres fazer o mesmo a mim?

 

     Como era possível um homem com aquela idade ter tanta vitalidade como macho e no fim ainda o querer foder.

 

     Saímos daquela posição e notei seu membro um pouco flácido que agarrou colocando-o junto à barriga ao mesmo tempo que se deitava de barriga para baixo e me dizia:

 

        - Agora é a tua vez. Quero vir-me com o teu membro dentro de mim.

 

     Deitei-me em cima dele comecei beijando suas costas e apoiando-me nos cotovelos procurei seu cú e comecei a penetra-lo primeiro lentamente até que ele num movimento de subida do corpo até entrar o mais possível. Com uma das mãos segurou numa das minhas e levou-a até ao seu pénis que já se encontrava novamente hirto e comecei a manuseá-lo ao mesmo tempo que o penetrava ritmicamente fodendo-o como nunca o tinha feito a alguém.

     Bombei freneticamente até me vir ao mesmo tempo que sentia em minha mão o liquido viscoso que saia daquele caralho sedento.

     Nunca o esquecerei nem àqueles momentos. Todos os meus sentimentos sexuais se concentravam no meu pénis, na boca e no meu cú quase virgem pois a experiência com aquele nojento na Suíça era para esquecer; tive orgasmos praticamente ininterruptos.

     Tive a impressão de termos fornicado horas seguidas embora saiba agora que não foi assim. Contudo Pierre conseguiu controlar-me bastante e o gozo que tive foi extraordinário.

     Acabámos por nos vir num paroxismo de violência que neste momento em que o recordo sei ter determinado o esquema em que a minha vida se passaria a enquadrar.

 

         Qualquer livro de pesquisas a nível psiquiátrico declara que os garotos de programa ou prostitutos e ninfomaníacos são frígidos; no que diz respeito, afirmo precisamente o contrario.

         Pierre passou o resto da noite comigo e foi a noite mais maravilhosa dos meus dezanove anos.

         Foi-se embora de manhã cedo; e sabia que naquele dia não iria trabalhar. Foquei deitado com a sensação de um agradável calor em todo o meu corpo. Sentia-me totalmente realizado e seguro da minha capacidade de ter relações com um homem.

        Contudo não dera ainda o passo importante de me aperceber que aquela importante experiência da minha vida me poderia vir a trazer lucros a nível material.

         Ainda não era um prostituto.

         Isso só aconteceria mais tarde.

         Entretanto já tive vários namorados, já me apaixonei mas aquele cinquentão nunca mais me esqueceu.

Fim

 

As fotos aqui apresentadas são livres de copyright e retiradas da Net.

Qualquer semelhança com factos reais é mera coincidência, ou não! O geral ultrapassa a ficção

 

             Nelson Camacho D’Magoito

           “Contos ao sabor da imaginação”

                  Para maiores de 18 anos

                     © Nelson Camacho
    2014 (ao abrigo do código do direito de autor)

Estou com uma pica dos diabos:
publicado por nelson camacho às 17:03
link do post | comentar | favorito
|

.No final quem sou?

.pesquisar

 

.Fevereiro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

.posts recentes

. Namorados

. A Intrusa

. Sábado chato para um amig...

. Um Recado

. As Borboletas

. Estou na prisão do tempo

. As minhas procuras no Nat...

. Pequenas coisas

. A história do Pátio do Ca...

. Finalmente libertei-me.

.arquivos

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Janeiro 2009

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

.tags

. todas as tags

.favorito

. Sai do armário e mãe pede...

. Eurovisão

. Depois de "All-American B...

. Raptada por um sonho ...

. Crónica de um louco senti...

. Terminei o meu namoro!!‏

. Dois anjos sem asas...

. Parabéns FINALMENTE!!!!

. Guetos, porque não?

. “Porque razão é preciso t...

.A Tua visita conta

web counter free

.Sempre a horas para criticar

relojes web gratis

.Art. 13, n.º 2 da Constituição

Ninguém pode ser privilegiado, benificiado, prejudicado, privado de qualquer direito ou isento de qualquer dever em razão de ascendência, sexo, raça, língua, território de origem, religião, convicções políticas ou ideológicas, instrução, situação económica, condição social ou orientação sexual.
blogs SAPO

.subscrever feeds