Quarta-feira, 3 de Dezembro de 2014

Os Motas – I Capitulo

Os Motas eram uma das famílias mais felizes lá do complexo habitacional. O Mota era engenheiro. D. Isabel, sua mulher, era médica. Deste casal Há vinte anos tinha nascido um filho, o Luís que tinha enveredado também pela área de engenharia, trabalhando na empresa do Pai. Os Motas eram uma família bem conceituada na sociedade. Frequentadores do Teatro Nacional de São Carlos e do D. Maria e de festas de glamour. Luís não saía destes parâmetros e não era muito frequentador de bares nocturnos ou discotecas. Nas noites de ócio entretinha-se em casa de amigos da mesma condição social.

Um dia nos escritórios do Mota entrou a pedido de um amigo, um moço que tinha acabado o curso de desenhista técnico como estagiário.

O Jorge, - o tal desenhista – passado algum tempo e depois de demostrar ser um bom profissional, começou a ir almoçar com os colegas de trabalho até que um dia para festejarem um contrato bem chorudo, o Mota convidou todos os colaboradores inclusive o Jorge, para um jantar em sua casa.

Naquela noite em casa dos Motas, estavam todos presentes, inclusive um amigo de infância do Luís.

Tratando-se de um casal da elite e porque D. Isabel não era muito atreita a taxos e panelas, encomendou o serviço a uma empresa de catering.

Como não podia deixar de ser e como era muita gente para uma sala de jantar, o serviço foi feito como um jantar volante. Primeiro as bebidas de recepção, depois os aperitivos e mais tarde a refeição.

Entre os empregados que deambulavam nas suas tarefas, havia um que servia mais vezes o Jorge. Coisa que ninguém notava a não ser o amigo do Luís que a certa altura lhe disse em termos de confidência:

 

- Conheces bem o teu colega lá do escritório?

- Quem? – Perguntou Luís admirado.

- Parece-me que o gajo conhece bem aquele empregado do catering

- Porquê? – Ainda mais admirado o Luís.

- O gajo não deixa de o servir mais vezes que a outras pessoas quaisquer e quando estão juntos, noto qualquer coisa comprometedora entre eles.

- Não ainda não notei!.. Se calhar conhecem-se.

- Pois!... Também acreditas no Pai Natal. Repara bem nos sorrisos que eles fazem um ao outro.

- Epá|.. Já estás para ai a inventar coisas, mas vou estar mais atento.

 

Luís ficou como se costuma dizer “com a pulga atrás da orelha” e começou a ficar mais atento,

Quando tudo acabou Luís foi com o Pai para pagar o serviço ao chefe da equipa que estava de conversa com o tal empregado e ouviu o dito dizer ao chefe que tinha boleia e não precisava do seu transporte.

Depois de tudo arrumado e as contas feitas. Já todos os colegas da empresa do Mota se tinham ido embora, menos o Jorge, que ainda se encontrava a um canto bebericando a última bebida.

Quando foi a vez do pessoal do catering sair, Luís notou que o Jorge também saía e como não quer a coisa, segui-o até ao jardim e viu o tal empregado entrar no carro do Jorge, cumprimentando-se com um gesto bastante afectuoso, e abalarem…

No dia seguinte

 

Como viviam numa casa tipo apalaçada, tinham duas salas de refeições. Uma para a refeições principais e para as festas, com uma antecâmara a que chamavam o comedouro onde era servido os aperitivos em dia de convidados e em dias normais servia para o pequeno-almoço.  

De manhã como era hábito todos se levantaram à mesma hora e se juntaram no comedouro para a primeira refeição.

Mal se sentaram entrou o chauffeur informando que o carro já estava pronto.

 

- Bom Dia senhor Carlos! Hoje só vai levar minha mãe para o consultório. O meu Pai vai comigo – Informou o Luís -.

- Vais-me dar boleia? – Perguntou o Pai muito admirado -

- Vou!.. Quero conversar consigo pelo caminho numa conversa de “pé de orelha”

- Não me digas que tens segredinhos que não podem ser ditos no escritório? É algo relacionado com a festa de ontem? – Perguntou D. Isabel. Mas não obteve resposta.

 

No caminho para o escritório o Mota, expectante perguntou:

 

- Ontem houve alguma coisa que não gostasses?

- Não… Pai!.. Correu tudo hás mil maravilhas. Só gostava de saber quem te indicou o Jorge para nosso empregado.

- Foi um amigo de há muitos anos e que já não via há tempos. Sabendo que era proprietário de uma empresa de consultoria de engenharia, veio até mim com o pedido de dar emprego a este amigo que ao que parece é amigo de um outro amigo dele e trata-o por afilhado.

- Que grande confusão!... E esse teu amigo que já não vias há muitos anos quem é?

- É um tipo que é empresário e que foi meu colega no liceu. Depois seguimos caminhos diferentes, Eu casei e ao que parece ele continua solteiro. Como tal pouco nos damos.

- Mas por ele ser solteiro? Tens algo contra os solteiros?

- Não é isso!... Desde a festa de fim de curso do liceu que nos separamos e cada um segui-o a sua vida. De-tempos-a-tempos encontramo-nos nos tribunais. Mas a que propósito vem estas perguntas todas?

- Ontem vi um empregado do catering quanto tudo acabou, sair no carro do Jorge. Achei estranho e pensei que houvesse algum conflito de interesses na contratação daquela empresa.

- Mas foi a tua mãe que fez o contrato e nem conhecia o Jorge. Mas afinal porque tanta preocupação?

- Pai!... Não há preocupação alguma. A propósito!... Tens alguma coisa contra os homossexuais?

- Porra!... Desta vez deixaste-me baralhado! Mas que raio de pergunta!...

 

Já tinham entrado na garagem do escritório e Luís só espondeu enquanto arrumava o carro:

 

- Não é nada de especial. São coisas da minha cabeça. Vamos mas é trabalhar.

 

No Escritório

 

O Mota não deixava de pensar nas perguntas que o filho lhe tinha feito e começou a observar melhor o Jorge. Não só no seu trabalho como nas suas atitudes. Da parte da tarde chamou o filho ao seu gabinete e quando ele entrou, mandou-o fechar a porta.

 

- Depois das perguntas que me fizeste hoje de manhã tenho andado com olho no Jorge.

- E então?...

- Acho que o rapaz tem qualquer coisa de esquisito.

- Como assim?...

- Tenho verificado que tem uns modos um pouco esquisitos.

- Mas esquisitos como?

- Um pouco amaneirados e apanhei-o ao telefone a dizer “ontem disse-te onde trabalhava, não te esqueças que saio às sei horas”.

- Quer dizer que estava a informar alguém a que hora saía! E depois?

- Não seria com o tal gajo do catering? Não me digas que o tipo é Gay!...

- E depois tens alguma coisa com isso?

- Tu é que me alertas-te para o caso.

- Mas eu só queria saber quem to tinha recomendado. Nada mais! Tens alguma coisa contra os Gays?

- Não sou contra nem a favor, mas não quero conviver com eles e na nossa empresa não quero cá disso.

- Pái!.. Isso é seres homofóbico e racista e se o rapaz for gay não o podes despedir.

- Isso é cá comigo. Não há lei que me obrigue a conviver com tipos desses.

- Não estás a por a carroça à frente dos bois? E se tivesses um filho Gay? Como era?

- Livre-nos Deus dessas coisas. Felizmente que só te tenho a ti.

- Bem!... Já estive a falar melhor…. Se era só isso que queria, vou trabalhar… - I saiu porta fora -.

 

Ao Jantar

 

Com a família reunida e depois de uma conversa de circunstância, o Mota puxou a conversa para o tema que tinha sido abordado com o filho, no carro e no escritório. Dª Isabel ouvi-o atentamente e comentou:

 

- E depois? O que que tens a ver com isso?

- Tu como médica não achas que esses gajos são doentes? Não será uma aberração? O homem foi feito para procriar e não para andarem uns com os outros.

- Ó homem… Não digas disparates. Eles não deixam de sere homens. Têm uma pila como a tua, choram, são amigos e amam. Só têm uma forma de amar sexualmente diferente. Pois fica sabendo que tenho muitos como clientes e alguns até são casados como nós.

- Pois!... Pois mas lá no escritório não quero disso.

- Sabes Mãe… Que o pai chegou a comentar que se descobrisse que o rapaz era homossexual que o despedia.

- O teu Pai é mas é parvo… Ia-se meter numa alhada que nem sonha.

- Sabes que o Pai chegou a dizer que se tivesse um filho Gay que corria com ele de casa.

- Mas que conversa tão sem propósito para um jantar… Vocês deviam ver o que se passa nos hospitais com situações dessas. Começa logo por os homossexuais quando admitem que o são e não poderem ser dadores de sangue, é um trauma bastante grave para eles. Já tenho passado por cima da lei e quando são pessoas saudáveis não menciono as suas tendências sexuais nos relatórios. É uma questão de princípios pois eles são homens como outros quaisquer. É uma lei sem qualquer cabimento científico. Quando de trata de lésbicas, ninguém lhes pergunta a sua tendência sexual ou se for um homem casado que possa ser heterossexual, basta dizer que é casado para mais ninguém lhes fazer perguntas sobre a forma como vivem sexualmente. Nos hospitais já tenho observado situações muito confrangedoras, por exemplo: - Quando há acidentes graves de homossexuais e têm namorados, há Pais que não deixam os seus namorados os visitarem nas enfermarias. Há situações psicológicas e morais e bastante graves quando isso acontece. Felizmente que poucas vezes isso acontece. Mas o melhor é acabarmos com esta conversa.

 

Quando acabou o jantar, foram para a sala onde foram servidos pela empregada o café do costume.

Dª. Isabel depois de ter bebido o seu café ausentou-se para os seus aposentos pedindo desculpa mas o dia e a conversa tida não tinha corrido muito bem e no dia seguinte tinha que se levantar cedo.

Ficou Pai e filho sentados nos seus sofás. Um a ler o jornal diário e o outro foi colocar um DVD com um concerto de Andre Rieu ao mesmo tempo que se acompanhavam por uns conhaques.

Às tantas o Pai Mota levantou-se para ir encher novamente o seu copo. Pelo caminho perguntou:

 

- Não queres mais? Então hoje não sais? Esta semana não saíste à noite!

- Não! O Mário tem estado no Algarve e não me apetece sair.

- Mas tens mais amigos e amigas, sem ser esse Mário!...   

- Certamente que sim, mas este é um amigo de infância e é o meu melhor amigo.

- E namoradas?

- Cada um vai-se ajeitando. Por acaso até namoro uma prima dele.

- Olha!.. Isso é que é giro. Na minha juventude também tinha um amigo assim. Parecíamos “O Roque e a Amiga”. Para onde ia um, ia o outro. Chegámos a passar férias, juntos e a namorar duas irmãs.

- Mas namoravam as duas ao mesmo tempo?

- Não!... Cada um com a sua. O meu amigo que era um galifão, se pudesse comer as duas não olhava para traz.

- Foi por isso que acabaram com a amizade?

- Não!.. Acabamos os cursos. Ele foi para fora e eu fiquei por cá até me casar. Mas isso é uma história que vai comigo para o outro mundo.

- Quer dizer que tens segredos na tua vida.

- Quais segredos qual carapuça. Vou mas é deitar-me e tu se não vais sair, vai fazer o mesmo que amanhã é dia de trabalho.

 

Luís ainda ficou na sala a assistir ao resto do concerto e o Mota seguiu para os seus aposentos.

O Mota quando chegou à cama deu-lhe a vontade de brincar com a mulher mas esta disse que tinha dores de cabeça e não teve sorte alguma. Fechou os olhos e veio-lhe à memória o que se tinha passado durante o dia. Serrou ainda mais os olhos para tentar dormir. Deu duas voltas na cama e a caixinha de recordações foi aberta e voltou aos seus tempos de juventude. Tinha na altura dezassete anos.

 

Veja as suas recordações clicando (II Capitulo)

-------------------------?????????????????--------------------------

Qualquer semelhança com factos reais é mera coincidência, ou não! O geral ultrapassa a ficção

           Nelson Camacho D’Magoito

        “Contos ao sabor da imaginação” (cn-249

             Para maiores de 18 anos

Estou com uma pica dos diabos:
publicado por nelson camacho às 12:18
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 3 de Dezembro de 2014

Os Motas – III Capitu...

Antes de continuar veja como tudo começou clicando aqui (I Capitulo) Meses depois Mais uma vez houve uma grande festa e...

Ler artigo
Estou com uma pica dos diabos:
publicado por nelson camacho às 12:06
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 5 de Novembro de 2014

Um puto Gourmet – II ...

II Capitulo Naquele dia fazia um ano que estávamos juntos e por coincidência tal como muitas coincidências que ac...

Ler artigo
Estou com uma pica dos diabos:
publicado por nelson camacho às 00:44
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Domingo, 2 de Novembro de 2014

Activo mas nem tanto

O Jorge era um rapaz de vinte-cinco anos bem-apessoado e frequentador de um ginásio lá do sítio. O que ele sempre quis f...

Ler artigo
Estou com uma pica dos diabos:
publicado por nelson camacho às 21:44
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Segunda-feira, 1 de Setembro de 2014

Afinal ele é bissexua...

II Capitulo Um Mês depois o telefone tocou!... Ver o I Capitulo Já me tinha esquecido daquele encontro seguido d...

Ler artigo
Estou com uma pica dos diabos:
música que estou a ouvir: O que é que eu faço?
publicado por nelson camacho às 17:14
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 1 de Setembro de 2014

Afinal ele é bissexua...

I Capitulo Já lá vão dois anos quando numa noite sem saber o que fazer depois de um jantar num dos restaurantes n...

Ler artigo
Estou com uma pica dos diabos:
publicado por nelson camacho às 15:30
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 1 de Setembro de 2014

Praias de nudismo

Um dia de sorte Um amigo espanhol que tenho em casa a passar férias quando chegou a casa a alegria e satisfação ...

Ler artigo
Estou com uma pica dos diabos:
publicado por nelson camacho às 15:03
link do post | comentar | favorito
|

.No final quem sou?

.pesquisar

 

.Outubro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Os Motas – I Capitulo

. Os Motas – III Capitulo

. Um puto Gourmet – II Part...

. Activo mas nem tanto

. Afinal ele é bissexual – ...

. Afinal ele é bissexual - ...

. Praias de nudismo

. Pieces of life – III Acto

. Pieces of life – I Acto

. A Montagem de Chuventos

.arquivos

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Janeiro 2009

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

.tags

. todas as tags

.favorito

. Sai do armário e mãe pede...

. Eurovisão

. Depois de "All-American B...

. Raptada por um sonho ...

. Crónica de um louco senti...

. Terminei o meu namoro!!‏

. Dois anjos sem asas...

. Parabéns FINALMENTE!!!!

. Guetos, porque não?

. “Porque razão é preciso t...

.A Tua visita conta

web counter free

.Sempre a horas para criticar

relojes web gratis

.Art. 13, n.º 2 da Constituição

Ninguém pode ser privilegiado, benificiado, prejudicado, privado de qualquer direito ou isento de qualquer dever em razão de ascendência, sexo, raça, língua, território de origem, religião, convicções políticas ou ideológicas, instrução, situação económica, condição social ou orientação sexual.
blogs SAPO

.subscrever feeds