Domingo, 21 de Setembro de 2008

Volta à Escola, sem preconceitos

 

Volta à Escola sim! mas sem preconceitos

 

 

     Como já disse em outros textos nos meus blogues, estamos na época da rentrêe e como não podia deixava de ser, também os adolescentes chamados de malta, rapaziada, putos, garinas e outros epítetos que classificam a nova juventude, aí vão eles para uma nova vida, “A Escola”.

     É na escola que se começa a definir o que vai ser o jovem. Engenheiro, doutor, arquitecto, advogado. Um simples empregado de limpezas, mecânico, trolha, homem macho, afeminado, preconceituoso, gay, rico ou pobre.

     Uns dizem que esta nova juventude que vai desabrochar para a vida, serão os homens de amanhã, outros dizem que é uma juventude rasca e outros ainda, que é uma juventude complicada mas perfeitinha para o nosso tempo.

     É durante este tempo de escolaridade com tantas descobertas, que são definidos alguns dos aspectos mais importantes de vida de cada um, entre eles está a sua sexualidade.

     O mais normal é a certa altura, começarem a pensar no assunto. O maior problema é quando os colegas começarem a questionar algo tão pessoal. A sua sexualidade.

     Todos tivemos e eles também vão ter esse problema tão polémico e delicado que é o pré-conceito das pessoas que tiram conclusões bastante precipitadas. E quem nunca teve um problema destes de qualquer das partes, que atire a primeira pedra.

 

        Você que se vai abraçar a um colega que se tornou seu amiga verdadeiro com quem desabafa os quês e porquês da vida.

        Você que vai vestir-se de maneira menos convencional.

        Você que gosta do seu corpo, faz ginásio e se veste como um metrossexul.

        Você que vai dar mais preferência aos amigos do mesmo sexo porque é com eles que a sua masculinidade impera e as pequenas bebedeiras acontecem assim como a descoberta sexual em jogos de masturbação.

        Você que é chamado “o menino da mamã”, muito delicadinho, encosta-se ao seu canto, não tem amigos e pouco fala, até nas aulas é o “meninos delico-doces”.

        Você que contrariamente ao que aqui fica explanado é atiradiço às miúdas e sempre pronto a entrar numa briga com outros rapazes.

        Você se está enquadrado num destes itens, meu amigo, você está sujeito a começar a ouvir comentários extremamente discriminatórios como “E pá tu vives em outro mundo”, “Mas tu és bicha ou quê?”, “Não fazes parte dos nossos”, “ Vai mas é curar-te”, “Se não gostas da fruta eu tenho uma p’ra ti”.

        Você para passar por cima de todos estes ditos, mexericos e comentários, nada mais tem que não ligar, não pode dar importância. Entenda que a maioria das pessoas vive de acordo com um padrão de coisas que se pode ou não fazer mas é assim que encontram a sua felicidade.

 

     Não ligue porque eles é que são diferentes, pois não aceitam a diferença e até por vezes tem raiva de não pertencerem a outros grupos só porque lhes falta a coragem de serem diferentes.

     Você não pode mudar o nível de consciência das pessoas. Não se pode levar a sério esse tipo de atitudes pois vivemos uma sociedade estereotipada.

     Se de todo em todo não conseguir dar conta do recado tem duas opções:

a)      Se a sua família é uma família estruturada e aberta para todas as conversas, procure uma altura em que estejam todos juntos e desabafe aquilo que lhe vai na alma.

b)      Se a sua família é uma família desestruturada, a situação complica-se, mas a solução não fica por aqui. Procure conversar com o seu médico de família e solicite-lhe que o encaminhe para um psicólogo.

     Quanto ao conversar sobre o assunto com um professor, nem sempre é o mais indicado, por razões óbvias e que não vêm a propósito neste meu desabafo.

 

Porque quero com este post mostrar aos jovens que me lêem, algo que vão encontrar nos primeiros tempos de vida escolar que é o “Pré-Conceito” aqui fica um outro texto que deve ser lido e relido do meu amigo Francirley Rodrigues e espero que desta vez não chore.

,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,

  

Nelson

Acabei de achar sem querer o meu texto no teu blog, confesso que quase
chorei de emoção.

Obrigado, mil vezes

Francirley Rodrigues

,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,

Um grande abraço a todos e aqui fica o tal texto do Francisley Rodrigues.

Nelson Camacho

Preconceito


Dentre as muitas crises existenciais que assombram meus pensamentos, uma em particular me leva horas de indignação: o preconceito. (Escrevi tudo com letras minúsculas, pois acho que apesar de frequente, não merece nenhum destaque).


É controversa uma sociedade que se auto intitula moderna e possuir defeitos tão antigos. Muitos deveriam sequer ter existido, quiçá permanecerem por tantos séculos, mesmo que encubados.

 

Ter preconceito para quê? Por quê?


Já presenciei e li tantas coisas sobre os mais diversos tipos de preconceitos, não consigo realmente entender o que o leva a permanecer por tanto tempo em nosso meio, seria intolerância, impaciência e soberba? Talvez seja pura ignorância em uma espécie de herança negra.


Penso ser isso analisando a própria palavra preconceito, que é formada por PRÉ + CONCEITO, ou seja um conceito pré concebido e de acordo com o dicionário: "Conceito ou opinião formados antes de ter os conhecimentos adequados". Horas depois cheguei à seguinte conclusão: todos os preconceitos não são nossos, são do nosso passado, coisas que outras pessoas tinham e foram passando para seus descendentes, e cá estamos carregados deles. Conclui ao pensar que toda a criança não possui nenhum pré-conceito de nada, e vai adquirindo com todo o (des) conhecimento que pode absorver.


Ora, ora, como uma criança pode ter preconceito racial? Pode se sentir superior a outras crianças? Nenhuma criança instintivamente sente isso, são coisas próprias dos adultos, que erroneamente são absorvidas pelas infelizes crianças preconceituosas.


Esta semana enquanto cantarolando ia para a faculdade, ouvi um garoto dizer que espancaria o seu filho, caso este viesse a se tornar homossexual. E o mais chocante: a menina que o acompanhava simplesmente riu. Bater somente porque por opção, ou predestinação, o seu filho se tornou homossexual? Não deveria essa pessoa que encabeça uma família dar total apoio ou simplesmente respeitar a individualidade do seu filho?


Que óptimo exemplo este pai dará ao seus filhos, o de total intolerância.


Se ele não gosta de homossexuais, é uma escolha dele. Mas será que ele passaria a odiar o seu filho por causa dessa opção? E onde fica a figura de um pai-herói, que sempre apoia, defende e mostra acima de tudo como deve se comportar uma pessoa de carácter limpo e honesto?


E o preconceito racial? Impedir que duas crianças de raças diferentes deixem de brincar, ou se comunicar por puro preconceito, isso é revoltante.


Se o pretexto for de protecção, impeça então que essa criança tenha acesso a um preconceito tão babaca, e ensine os verdadeiros valores para que venha se tornar uma pessoa íntegra.


Ainda existe o preconceito religioso, que francamente é sem lógica. Deus quer acima de tudo fazer deste mundo, um local mais harmonioso e foi o primeiro a acolher os rejeitados e imundos. Somando acima de tudo o amor ao próximo, e isso é o mais importante.


Estamos trocando os valores que devemos passar para as próximas gerações, ao invés de mostrarmos o errado e o certo, e deixar que sempre tenham suas opções, vamos impondo nossas 'verdades' e desrespeitando a individualidade. Afinal de contas, defeitos todos temos, mas no fundo somos todos iguais. Brancos, negros, gays, lésbicas, católicos, evangélicos... a essência do ser é a mesma, independente da bandeira que levanta.


Não podemos e nem devemos gostar de tudo, afinal isto é impossível, mas devemos respeitar tudo e todos.


Depois de nos tornarmos mais tolerantes e menos ignorantes, seguiremos naturalmente rumo a uma sociedade moderna.”


(Francirley Rodrigues)

 
Mais um abraço a todos

 

Nelson Camacho D’Magoito

 

Estou com uma pica dos diabos: Feliz por ser assim
publicado por nelson camacho às 21:55
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 28 de Maio de 2008

Diversidade na Igreja

Quem procura sempre encontra. É assim na vida inclusive na net. Há quem se preocupe com o trabalho, com o c...

Ler artigo
Estou com uma pica dos diabos: Feliz mais uma vez
música que estou a ouvir: Só nós dois é que sabemos
publicado por nelson camacho às 18:14
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|
Quarta-feira, 14 de Maio de 2008

Jornalista invejoso

Jornalista invejoso A minha raiva ao Jornalista da TVGuia Não sou muito de comprar ...

Ler artigo
Estou com uma pica dos diabos:
música que estou a ouvir: Mister Gay
publicado por nelson camacho às 20:30
link do post | comentar | ver comentários (8) | favorito
|
Sexta-feira, 2 de Maio de 2008

A Saga do aniversário

Pai & Filho em dia de aniversário A Saga do aniversário Mas afinal de cont...

Ler artigo
Estou com uma pica dos diabos: Feliz
música que estou a ouvir: sozinho
publicado por nelson camacho às 15:37
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Domingo, 27 de Abril de 2008

Nelson Camacho Hoje f...

Nesta altura tinha oito dias. Não era grande e ainda hoje não sou grande coisa. G...

Ler artigo
Estou com uma pica dos diabos: e bem comigo mesmo
música que estou a ouvir: Hó tempo volta p'ra traz
publicado por nelson camacho às 00:52
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|
Sábado, 19 de Janeiro de 2008

Bichas de estimação II

Bichas de estimação (Parte II) A minha mais recente BICHA DE ESTIMAÇÃO é nem mais nem menos um tal de Daniel Ferrei...

Ler artigo
Estou com uma pica dos diabos: de dizer a verdade
música que estou a ouvir: Como vai ese pais
publicado por nelson camacho às 12:39
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 19 de Janeiro de 2008

Bichas de estimação I

Bichas de Estimação ( Parte I ) Eu queria criar um novo blog só para este tema, mas ao verificar que o “Canto...

Ler artigo
Estou com uma pica dos diabos: para dar uma fo....
música que estou a ouvir: Myster Gay
publicado por nelson camacho às 10:59
link do post | comentar | favorito
|

.No final quem sou?

.pesquisar

 

.Outubro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Volta à Escola, sem preco...

. Diversidade na Igreja

. Jornalista invejoso

. A Saga do aniversário

. Nelson Camacho Hoje faz a...

. Bichas de estimação II

. Bichas de estimação I

. O Natal já passou

. Dia Mundial da Sida

.arquivos

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Janeiro 2009

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

.tags

. todas as tags

.favorito

. Sai do armário e mãe pede...

. Eurovisão

. Depois de "All-American B...

. Raptada por um sonho ...

. Crónica de um louco senti...

. Terminei o meu namoro!!‏

. Dois anjos sem asas...

. Parabéns FINALMENTE!!!!

. Guetos, porque não?

. “Porque razão é preciso t...

.A Tua visita conta

web counter free

.Sempre a horas para criticar

relojes web gratis

.Art. 13, n.º 2 da Constituição

Ninguém pode ser privilegiado, benificiado, prejudicado, privado de qualquer direito ou isento de qualquer dever em razão de ascendência, sexo, raça, língua, território de origem, religião, convicções políticas ou ideológicas, instrução, situação económica, condição social ou orientação sexual.
blogs SAPO

.subscrever feeds