Quinta-feira, 21 de Agosto de 2008

Férias falhadas por uma lésbica

 

As minhas últimas férias

Ou Um sonho de verão

 

     As férias para o triste português, tem de ser repartidas, uns por oito dias, outros por quinze e poucos têm a possibilidade de as fazer pelos célebres trinta dias. Os tais trinta dias que nos prometeram são cada vez mais difíceis derivados à economia do país. Eu também estou nos menos afortunados e como tal, só fui gozar os quinze dias. Fui até ao Algarve.

     Os dias os meses de trabalho que antecedem as mini férias são de tal stress que normalmente não dão tempo para extravasar os nossos ímpetos amorosos e essa coisa de encontrar alguém para a nossa vida nem sempre é fácil. É então nas festas de verão que normalmente encontramos essa que julgamos ser para toda a vida. Foi o que me aconteceu este ano nas tais mini férias.

     Estava uma noite amena, nem calor nem frio: Tem sido assim este ano no Algarve. O meu corpo estava escaldado pelo sol que apanhei à beira mar durante o dia e apetecia-me dar uma volta pelos bares lá do sítio. Olhei para o espelho e vi que estava no ponto. Moreno do sol, lábios reluzentes e os meus olhos azuis saltavam cá para fora como lampiões à procura da algo. Olhei bem para mim, e disse para mim próprio! É hoje porra! Que vou engatar a mulher da minha vida. Tomei um duche, perfumei-me besuntei-me com um daqueles cremes próprios do metro sexuais, vesti uma calças pretas bem apertadas, uns sapatos de ténis de marca (está na moda este tipo de sapatos), uma camisa branca sem botões no colarinho e umas faixas azuis do lado esquerdo. Com a camisa meia aberta para se ver um pouco do peito (à antiga), cabelos soltos e ao vento e lá fui eu até à baixa de da Albufeira, estava um borracho.

     Entrei em várias discotecas. Como estava sozinho, fui deambulando de uma em outra até encontrar aquela que me agradasse mais em termos de assistência.

     Estava a tocar uma música do Júlio Iglésias “se calhar por ele lá ter estado há pouco tempo”, segui até ao balcão e pedi uma Eristoff. Olhei em toda a volta e lá estava uma garota aparentemente descomplexada, de saia curta, cabelos negros compridos que lhe iam até meio das costas e uma daquelas blusas que se vê o umbigo. Olhamo-nos e não sei porquê, senti um brilho especial no seu olhar. Mirámo-nos, desviamos os olhares mas voltámos a olharmo-nos mais insistentemente. Das duas uma estava ali uma miúda de programa ou a mulher da minha vida. Como estava ali para o engate fosse ele qual fosse, desencostei-me do balcão e dirigi-me a ela, pousei o copo na sua mesa e perguntei-lhe: -Vamos dançar? Foram uns segundos terríveis, até que ela se levantou, abriu os braços, encostámo-nos e começamos a dançar (a antiga).

     Tocavam na altura ainda um Slow do Júlio. A certa altura ele atirou: -Você não tem nada a ver com esta malta que frequenta estes bares, é costume atirar-se assim ás mulheres ou é daqueles casados que procura uma diversão? – Não, não!... Disse eu um pouco atrapalhado com tal pergunta. Sou solteiro, não procuro nenhum entretenimento, mas talvez a mulher da minha vida.

     Não ouve possibilidades de mais diálogo, pois entretanto apareceu um casal que lhe bateu no ombro e perguntou: - Olha a Isabel! Que fazes aqui tão bem atracada? (o atracado era eu, ta-se mesmo a ver).

     O casal afinal não era um casal mas um grupo de amigos com os quais passamos a noite nos copos e amenas cavaqueiras.

     A manhã chegou, fomos até à praia tomar o pequeno-almoço. Trocámos indicações onde estávamos hospedados e prometemos novos encontros.

     Fui deitar-me um pouco mas não consegui dormir. A Isabel não me saia do pensamento. À tarde fui até o hotel onde estava hospedada e procurei-a. Estava na piscina com uma amiga em amena cavaqueira. Dirigi-me a elas e entrei na conversa. Combinámos um jantar e a partir daí continua-mos a encontrar-nos durante as duas semanas que estivemos de férias. Cada vez mais a nossa cumplicidade foi aumentando até surgir a paixão. Julgava eu.

     Tudo o que é bom, acaba depressa… As férias terminaram e foi tempo de prometermos o nosso próximo encontro em Lisboa, porque (pensava eu), era a vontade de ambos. Cada um veio com o seu meio de transporte, eu, só e ela com os amigos um dia antes.

     Quando cheguei a casa a primeira coisa que fiz foi telefonar-lhe. Não atendeu. No dia seguinte, voltei a ligar e nada. Comecei a envias SMS e não obtive resposta. Passado uma semana, consegui falar com ela telefonicamente, mas pareceu-me distante, como aqueles quinze dias vividos intensamente no Algarve não tivessem existido.

     Uma noite, deu-me na mona e fui tomar um copo a um bar de Lisboa, o 160, é um local bastante agradável independentemente de ser frequentado também por gays e lésbicas. Entrei dirigi-me ao balcão, pedi uma Coca-Cola, olhei em redor e na penumbra de um canto, lá estava a Isabel beijando sofregamente uma amiga que também tinha estado connosco no Algarve.

     Afinal o que aconteceu nestas pequenas férias foi somente UM SONHO DE VERÃO.

 

   Nelson Camacho D’Magoito

 

Estou com uma pica dos diabos: Pronto para outra
música que estou a ouvir: Sempre que brilha o Sol
publicado por nelson camacho às 04:17
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Segunda-feira, 14 de Abril de 2008

Cartaz Gay sob discór...

« Cartaz sobre amor gay censurado em França Já tive a oportunidades em poste...

Ler artigo
Estou com uma pica dos diabos: Livre
música que estou a ouvir: Liberdade, liberdade
publicado por nelson camacho às 23:54
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Terça-feira, 8 de Abril de 2008

Sou Lésbica, e depois?

Querida! Esta é a minha Opinião. Quero aqui dar os meus parabéns a Solange F. que saiu do armário. Só por...

Ler artigo
Estou com uma pica dos diabos: Farto de dar recados a bichas
música que estou a ouvir: Ralho sempre com razão
publicado por nelson camacho às 07:16
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|
Domingo, 10 de Fevereiro de 2008

Carta aberta

Istanbul Há situações no Mundo que têm que ser divulgadas sem medos “porque a descansar não se...

Ler artigo
Estou com uma pica dos diabos: a aplaudir
música que estou a ouvir: Sem Múcica
publicado por nelson camacho às 03:31
link do post | comentar | favorito
|

.No final quem sou?

.pesquisar

 

.Fevereiro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

.posts recentes

. Férias falhadas por uma l...

. Cartaz Gay sob discórdia ...

. Sou Lésbica, e depois?

. Carta aberta

.arquivos

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Janeiro 2009

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

.tags

. todas as tags

.favorito

. Sai do armário e mãe pede...

. Eurovisão

. Depois de "All-American B...

. Raptada por um sonho ...

. Crónica de um louco senti...

. Terminei o meu namoro!!‏

. Dois anjos sem asas...

. Parabéns FINALMENTE!!!!

. Guetos, porque não?

. “Porque razão é preciso t...

.A Tua visita conta

web counter free

.Sempre a horas para criticar

relojes web gratis

.Art. 13, n.º 2 da Constituição

Ninguém pode ser privilegiado, benificiado, prejudicado, privado de qualquer direito ou isento de qualquer dever em razão de ascendência, sexo, raça, língua, território de origem, religião, convicções políticas ou ideológicas, instrução, situação económica, condição social ou orientação sexual.
blogs SAPO

.subscrever feeds