Domingo, 28 de Dezembro de 2014

Não Beijo – 1 Capitulo

Não Beijo

 

1º. Capitulo

Há sempre um tempo em que a juventude na febre de viver depara-se com algumas armadilhas que a vida se lhes apresenta principalmente quando se propõem a abandonar a província e rumam à grande cidade.

Todos conhecemos um ou outro belo rapaz que emigrou do interior para a grande cidade onde procuram a sua sorte. Nesse aspecto, a grande aventura de Pedro, longe da sua terra longínqua e do conforto dos familiares, na grande cidade, depois de experimentar vários empregos na hotelaria e em pretensos cursos de teatro e concursos de TV com o intuito de se tornar famoso derivado ao julgar ser fácil a sua promoção como muitos outros que entraram em princípio como figurantes em novelas em que os protagonistas são belos rapazes que beijam belas raparigas e andam em brutos carros e levam uma vida de luxo, não sabia que na realidade não era assim tão fácil. As tentações são grandes e as escadas para o sucesso são bastantes ingremes e por vezes acabam no consumo da droga ou na prostituição.- Umas vezes para conseguirem determinado papel na profissão tão desejada, porque um favor paga-se com outro favor ou porque os workshops têm de se pagar assim como a renda do quarto e os fatos de marca.- Acabam por cair em armadilhas mais fáceis e estas são a prostituição.

Particularmente o Pedro tornou-se em mais um igual a tantos outros que às escondidas vai fazendo a sua vida dupla, com a particularidade de não beijar, não chupar e nem se deixar beijar, acalentando sempre ser assim, conseguir o sonho de se tornar naquela vedeta de novela que via na sua terra através da TV. Esqueceu-se que esse mundo é um mundo sombrio receptáculo de todas as decepções mas onde brilha a ténue clarão do sonho.

 

O que atraia em primeiro lugar a Pedro era sem dúvida a inocência da idade e do Antes da queda que o fazia baixar os olhos quando se falava daquelas “coisas” e se desviava de venais avanços de colegas, protectores ou promotores de facilidades.

 

Com um perfil voluntarioso e um olhar obstinado para as coisas é agarrado pelos predadores sempre à espreita de uma boa ocasião para fazerem dos Pedros seus pupilos.

 

“Não beijo nem chupo sem quero que me beije” é sempre a resposta pronta na língua quando é abordado para pagar um favor de uma audição”.

 

As “coisas” que sempre foi ouvindo aqui e ali entre colegas, rapaz provinciano em que julgava ser “chegar e vencer”, afinal não era verdade. Os favores pagam-se!...

Por várias vezes Pedro foi assediado a prostituir-se mas a resposta era sempre a mesma “Não faço essas coisas”.

 

- Não me digas que queres continuar a ser virgem! – Diziam alguns.

 

Um dia entrou num workshop. Pagou a primeira mensalidade com o ordenado que tinha ganho no café onde estava empregado, mas quando chegou ao segundo mês e porque tinha de pagar o quarto não teve dinheiro para continuar o segundo mês e contou o caso ao Fernando, um promotor artístico. Este perguntou-lhe se era mesmo a sua paixão seguir a arte de representação. Pedro confessou que tinha vinda da província para ser actor ou cantor e o seu grande sonho era vir a ser uma grande vedeta e mostrar aos seus conterrâneos que contrariamente ao que eles diziam, não era só bonito mas também tinha valor e era alguém.

Fernando ouvi-o com toda a atenção e disse-lhe que tudo se arranjaria. Era uma questão de conversarem melhor e para tal convidou-o para jantar a fim de combinarem como o poderia ajudar.

Foram jantar a um dos melhores restaurantes da capital ode Fernando lhe contou ser um dos melhores empresários da capital e já tinha dado a mão a outros nas mesmas circunstâncias. Este ficou deslumbrado com as histórias que o outro lhe contou até porque os nomes mencionados eram de facto já vedetas do estrelado nacional, tanto como actores como cantores.

A meio do jantar entrou uma das vedetas que o Fernando tinha mencionado acompanhado por uma linda mulher, que passando por eles o vieram cumprimentar e foram apresentados ao Pedro.

Depois se se terem afastado para a sua mesa, em tom de surdina Fernando comentou:

- Como vês!.. Depois de se tornarem vedetas já tem dinheiro para vir a estes restaurantes acompanhados de boas mulheres.

 

Pedro olhou em volta e só nessa altura é que verificou o requinte do restaurante e perguntou:

 

- Achas que posso vir a fazer aquela figura?

- Está tudo nas tuas mãos. Se seguires as minhas recomendações e fizeres um contrato como teu manager, tudo é possível. É óbvio que tens de estudar bastante.

- Estou pronto a estudar e fazer alguns sacrifícios. Não sei é se o meu ordenado lá no café dá para tudo. Lá tenho as refeições pagas e dá-me para pagar o quarto. Não dá e para pagar os estudos.

- Mas isso não é problema. Se já tens as refeições, não passas fome, quanto ao quarto podes ficar em minha casa. Vivo sozinho, e enquanto não te arranjo trabalho numa novela ou para gravares um disco, lá em casa podes estudar e já poupas na despesa do quarto.

 

Aquela proposta para o Pedro era aliciante e este já se estava a imaginar uma vedeta nacional com a ajuda daquele amigo.

 

- Então que achas da minha proposta? – Perguntou o Fernando.- Se quiseres, podemos ainda hoje ir a minha casa para veres que não é nenhum casebre e amanhã pago a tua mensalidade lá na escola.

- E ficava já lá?

- Isso é contigo!

- Mas primeiro tenho que me despedir do quarto a arranjar a roupa.

- Mas isso também é contigo.

 

Pedro estava ainda mais hilariante com toda aquela oferta. Nem sonhava era em que é que se ia meter.

 

Depois de jantarem, meteram-se no carro e lá foram. A meio do caminho Pedro notando que o Fernando não lhe tinha perguntado onde morava e verificando que o caminho não era para sua casa, perguntou com toda a sua inocência:

 

- Mas vamos já para tua casa?

- Vou só mostrar-te onde moro – A mesmo tempo que lhe punha a mão na perna.

 

Pedro estremeceu um pouco:

Fernando notando, comentou:

 

- Estás com medo?

- Não!...

- Parece que estremeceste um pouco. Sou um tipo sério. O que está combinado está combinado.

- Não!.. Não é isso!... É que nunca me tinham posto a mão na perna.

 

Fernando, tipo sabido não se adiantou mais e depois de uns segundos de pausa e pensar que estava frente a um provinciano mas não parvo e que seria difícil levar a água ao seu moinho comentou:

 

- Mas já te disse que que só aceitas o meu convite se quiser. Só te vou mostrar onde moro e bebermos um café.

- Desculpa!.. Não fique chateado com a minha reacção. O que está combinado, está combinado.

 

Era o que o Fernando queria ouvir. Dali para a frente já sabia como iria tratar da questão.

Entretanto chegaram a casa. Subiram e entraram mudos como se nada tivesse acontecido e já fossem grandes amigos.

 A casa do Fernando era uma casa toda moderna. Um grande holl de entrada com cinco portas que o Fernando não abrindo nenhuma delas só as indicava. Uma era a casa de banho das visitas, a outra da cozinha, uma outra ao lado, da casa de jantar. A quarta, de estrada para a suite e a quinta bastante grande com vidrinhos em quadrados translúcidos por onde entraram e que era o salão.

O salão era bastante grande com vários maples, sofás, mesinhas de apoio, lareira, um piano de cauda e um bar encastrado numa mas paredes.

 

Pedro olhando para a grandeza daquilo como nunca tinha isto comentou;

 

- Epá esta área é maior que a minha casa toda lá na província. Só falta a televisão.

- Não seja por isso. – Fernando carregou num comando que estava em cima do balção do Bar e numa das paredes desceu automaticamente um maravilhoso quadro de Malhoa “A Severa” e apareceu o Plasma que mais parecia uma tela de cinema. - pelo seu tamanho -.

- Pedro ficou deslumbrado com tudo aquilo. – Na sua mente já se via a morar naquela casa que para ele era um palácio.

 

Fernando que já estava traz do balcão do Bar recheado de garrafas e copos dos mais variados feitios perguntou:

 

- Queres um café com uma aguardente velha ou com um Whiskey?

- O que tu beberes – Pedro já o estava a tratar por tu -.

- Primeiro vou beber um whiskey. Tu queres com gelo, água castelo ou simples? Eu vou beber simples para não estragar a água. - e riu-se -

 

Ambos se riram com a dica, do “não estragar a água”

 

- Então! Gostas da casa? Como vês até tens piano para estudares as cantigas.

- Ma não sei tocar nada, Só campainhas de porta.

- E tocas bem?

- Quando era miúdo lá na terra a malta entretinha-se a tocar hás campainhas e depois fugíamos.

- E era essa aa malandrices que faziam? E uns com os outros não faziam nada?

- Diziam que havia um que fazia umas coisas, mas eu nunca fiz nada.

- E porque não?

- Uma vez vi dois a beijarem-se e a baterem umas punhetas.

- E tu nunca o fizeste?

- Só uma vez é que fizemos umas punhetas para ver quem se esporava mais longe.

- E tu ganhaste alguma vez?

- Epá… Eram brincadeiras de crianças. Isso agora não interessa nada.

- Quer dize que agora que já és crescido não o fazias…

- Não sejas parvo. Agora só fodo e uma ou outra vez quando estou aflito.

- E sozinho ou a dois?

- Epá!... Já estivemos a falar melhor.

- Mas tens namorada?

- Cá em lisboa ainda não arranjei nenhuma.

- Quer dizer que bastas-te sozinho!...

- Epá!.. Isso agora não interessa nada.

- Desculpa mas era só para saber. Mas também digo. “Agora não interessa nada. Como diz a outra” De qualquer das formas deves andar cheio de rebarba. Qualquer dia estás virgem.

 

Ambos se riram e voltaram a botar mais uns whiskies nos copos.

Quem já estava cheio de rebarba era o Fernando, mas não se queria adiantar mais, Já sabia tudo sobre o puto do que queria saber. E com a experiência que tinha daquelas coisas para não o perder, achou por bem não adiantar mais a conversa sobre a vida sexual do amigo, pois iria estragar tudo.

 

- Esta conversa está muito animada mas amanhã é Sexta-feira entro ao serviço às oito horas da manhã e não quero chegar tarde se não o patrão manda-me embora. No sábado estou de folga e no Domingo o café está fechado portanto o melhor é não abusar.

- Quer dizer que Sábado e Domingo não trabalham? És um sortudo com dois dias de folga.

- É verdade. Um dia é a minha folga e o outro é porque á assim mesmo

- Então podes mudar-te para cá na sexta à noite? Sempre queres? Ou queres pensar melhor?

- Se me ensinares a tocar piano, venho! – Respondeu o Pedro ao mesmo tempo que se ria

- Se te predispuseres a aprenderes outras coisas, tens uma casa aberta. E amanhã pago lá na escola a tua mensalidade. Queres ou não?

- Sou bom aluno e já disse que estou pronto para tudo. Já vi que és um tipo porreiro e de confiança.

 

Fernando adivinhando que ia ter ali um amigo durante algum tempo, não só porque seria fácil molda-lo a seu jeito e com muito boa apresentação para o acompanhar e ainda por cima virgem, com um grande sorriso e quase a beijá-los comentou em ar de graça.

 

- Ainda vamos bater umas punhetas. Bem agora vou levar-te a casa e encontramo-nos na escola amanhã à noite.

- Essa de me ires levar a casa agradeço agora essa de batermos umas punhetas é que não sei!... Eu nem sequer beijo ou beijei um gajo…

 

Ambos se riram. Acabaram com a bebida e Fernando foi levar o Pedro a Casa.

 

Fim do 1 Capitulo

Para ler o que se passou a seguir clique (2 Capitulo)

------------------------------------------------------------------------------------

Qualquer semelhança com factos reais é mera coincidência, ou não! O geral ultrapassa a ficção

 

           Nelson Camacho D’Magoito

        “Contos ao sabor da imaginação” (257)

             Para maiores de 18 anos

                 © Nelson Camacho
2014 (ao abrigo do código do direito de autor)

Estou com uma pica dos diabos:
publicado por nelson camacho às 08:25
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 28 de Dezembro de 2014

Não Beijo – 2 Capitulo

Não Beijo (Veja o 1º.Capitulo) Aquela sexta-feira foi um martírio para o Pedro. Às setas da manhã ainda um pouco estremu...

Ler artigo
Estou com uma pica dos diabos:
publicado por nelson camacho às 08:08
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 28 de Dezembro de 2014

Não Beijo – 3 Capitulo

Não Beijo (veja o 2º. Capitulo) Quando Pedro acordou já o Fernando se tinha levantado de mansinho para não o acordar e...

Ler artigo
Estou com uma pica dos diabos:
publicado por nelson camacho às 07:58
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 1 de Setembro de 2014

Afinal ele é bissexua...

II Capitulo Um Mês depois o telefone tocou!... Ver o I Capitulo Já me tinha esquecido daquele encontro seguido d...

Ler artigo
Estou com uma pica dos diabos:
música que estou a ouvir: O que é que eu faço?
publicado por nelson camacho às 17:14
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 1 de Setembro de 2014

Afinal ele é bissexua...

I Capitulo Já lá vão dois anos quando numa noite sem saber o que fazer depois de um jantar num dos restaurantes n...

Ler artigo
Estou com uma pica dos diabos:
publicado por nelson camacho às 15:30
link do post | comentar | favorito
|

.No final quem sou?

.pesquisar

 

.Outubro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Não Beijo – 1 Capitulo

. Não Beijo – 2 Capitulo

. Não Beijo – 3 Capitulo

. Afinal ele é bissexual – ...

. Afinal ele é bissexual - ...

.arquivos

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Janeiro 2009

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

.tags

. todas as tags

.favorito

. Sai do armário e mãe pede...

. Eurovisão

. Depois de "All-American B...

. Raptada por um sonho ...

. Crónica de um louco senti...

. Terminei o meu namoro!!‏

. Dois anjos sem asas...

. Parabéns FINALMENTE!!!!

. Guetos, porque não?

. “Porque razão é preciso t...

.A Tua visita conta

web counter free

.Sempre a horas para criticar

relojes web gratis

.Art. 13, n.º 2 da Constituição

Ninguém pode ser privilegiado, benificiado, prejudicado, privado de qualquer direito ou isento de qualquer dever em razão de ascendência, sexo, raça, língua, território de origem, religião, convicções políticas ou ideológicas, instrução, situação económica, condição social ou orientação sexual.
blogs SAPO

.subscrever feeds